Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

PUTIN ANUNCIA ‘MOBILIZAÇÃO PARCIAL’ E AVISA QUE USARÁ ‘TODOS OS MEIOS’

O Presidente da Rússia anunciou esta quarta-feira uma “mobilização parcial” dos cidadãos do país, quando a guerra na Ucrânia está quase a chegar ao sétimo mês do conflito, numa mensagem televisiva dirigida à nação.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

O Presidente da Rússia anunciou esta quarta-feira uma “mobilização parcial” dos cidadãos do país, quando a guerra na Ucrânia está quase a chegar ao sétimo mês do conflito, numa mensagem televisiva dirigida à nação.

Segundo Vladimir Putin, são precisos passos imediatos para defender a soberania e integridade territorial da Rússia. “Temos o direito a definir a nossa vontade” e “enfrentar o Ocidente que está a tentar enfraquecer, dividir e fragmentar a Rússia”, apoiando “terroristas no Cáucaso, apoiando o alargamento das fronteiras da NATO junto à fronteira da Rússia” e também com reforço de armamento.

Putin diz que a guerra “começou em 2014” quando o “Ocidente deu origem ao genocídio do povo ucraniano” impondo o que chama de “regime ditatorial”. Agora, o líder russo diz que é preciso “intervir”, face à ação militar ucraniana, que é “treinada pela NATO e comandada por militares da NATO”

Por isso, anunciou medidas para defender a soberania da Rússia e dos “territórios”. Entre elas, foi decretada uma mobilização parcial – “repito, parcial, cidadãos que estão neste momento na reserva, que fizeram serviço militar ou têm especialidades importantes”. Haverá treino para eles, diz Putin, que vai informar o Parlamento da decisão, assim como da necessidade de criar novas fábricas de armamento.

A Rússia, que invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, está pronta a utilizar “todos os meios” ao seu dispor para “se proteger”, declarou Putin, que acusou o Ocidente de procurar destruir o país.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

INTERNACIONAL

BIDEN CONDENA ‘TENTATIVA FRAUDULENTA’ DA RÚSSIA DE ANEXAR TERRITÓRIOS UCRANIANOS

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, condenou hoje a “tentativa fraudulenta” da Rússia de anexar territórios ucranianos e a diplomacia norte-americana anunciou sanções a mais mil pessoas e empresas envolvidas na invasão.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, condenou hoje a “tentativa fraudulenta” da Rússia de anexar territórios ucranianos e a diplomacia norte-americana anunciou sanções a mais mil pessoas e empresas envolvidas na invasão.

“Continuaremos a ajudar a Ucrânia nos seus esforços para recuperar o controlo sobre seus territórios”, disse Biden, num comunicado, minutos depois de o Presidente russo, Vladimir Putin, ter assinado os tratados de anexação de quatro regiões ucranianas.

Biden disse ainda que vai assinar legislação do Congresso que fornecerá mais cerca de 12 mil milhões de dólares (valor idêntico em euros) para ajudar a Ucrânia a resistir à invasão russa.

Logo de seguida, o Departamento de Estado norte-americano anunciou sanções contra mais de mil pessoas e empresas com responsabilidade na invasão russa da Ucrânia, incluindo o Presidente do banco central russo e famílias de membros do Conselho de Segurança em Moscovo.

A diplomacia dos EUA incluiu na nova lista de alvos das sanções centenas de membros de deputados russos, líderes de infraestruturas financeiras e militares do país e numerosas empresas que fornecem armas às Forças Armadas russas.

A secretária do Departamento do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, também prometeu mais sanções nos próximos tempos.

“Não vamos ficar parados, enquanto Putin tenta fraudulentamente anexar partes da Ucrânia”, justificou Yellen, dizendo que as sanções que estão a ser aplicadas procuram “enfraquecer ainda mais o já degradado complexo industrial militar da Rússia e minar a sua capacidade de travar uma guerra ilegal”.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,4 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

LER MAIS

INTERNACIONAL

KREMLIN: QUATRO REGIÕES OCUPADAS SERÃO ‘ANEXADAS’ NA RÚSSIA SEXTA-FEIRA

O Kremlin anunciou hoje que as quatro regiões da Ucrânia que realizaram referendos sobre a adesão à Rússia serão incorporadas no país na sexta-feira.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

O Kremlin anunciou hoje que as quatro regiões da Ucrânia que realizaram referendos sobre a adesão à Rússia serão incorporadas no país na sexta-feira.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, adiantou ainda que o Presidente russo, Vladimir Putin, participará numa cerimónia em que as regiões se tornarão oficialmente russas.

Peskov disse aos jornalistas que os líderes das quatro regiões – onde os referendos terminaram na terça-feira – assinarão os tratados para se juntarem à Rússia durante a cerimónia de sexta-feira no Kremlin.

A anexação oficial já era esperada após a votação nas áreas sob ocupação russa na Ucrânia, cujos habitantes, alegou Moscovo, apoiavam esmagadoramente a anexação formal destes territórios pela Rússia.

Os Estados Unidos e os seus aliados ocidentais condenaram veementemente os referendos, classificando-os como uma farsa e prometendo nunca reconhecer os seus resultados.

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, disse na quarta-feira que os referendos de anexação organizados por Moscovo nas regiões ucranianas foram ilegais e os resultados manipulados.

“Trata-se de uma nova violação à soberania e à integridade territorial da Ucrânia, no contexto de violações sistemáticas dos direitos humanos”, disse Borrell através de uma mensagem difundida pela rede social Twitter.

“Nós saudamos a coragem dos ucranianos que continuam a opor-se e a resistir à invasão russa” acrescentou o chefe da diplomacia do bloco europeu.

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Annalena Baerbock, juntou-se hoje às outras autoridades ocidentais para denunciar os referendos.

“Sob ameaças e, por vezes, até sob a mira de armas, as pessoas estavam a ser retiradas das suas casas ou locais de trabalho para votarem em urnas de vidro”, disse Annalena Baerbock, numa conferência em Berlim.

“Isso é o oposto de eleições livres e justas (…). Isso é o oposto da paz. É a paz ditada. Enquanto este ditame russo prevalecer nos territórios ocupados da Ucrânia, nenhum cidadão está seguro. Nenhum cidadão é livre”, afirmou a ministra alemã.

As administrações instaladas por Moscovo nas quatro regiões do sul e leste da Ucrânia alegaram na noite de terça-feira que 93 por cento dos votos na região de Zaporijia apoiaram a anexação, assim como 87% na região de Kherson, 98% na região de Lugansk e 99% em Donetsk.

A Ucrânia também classificou os referendos como ilegítimos, dizendo que tem todo o direito de retomar os territórios.

Em 2014, a Rússia já tinha usado o resultado de um referendo realizado sob ocupação militar para legitimar a anexação da península ucraniana da Crimeia, no Mar Negro.

LER MAIS

INTERNACIONAL

COMO SERIA DE ESPERAR RUSSOS ANUNCIAM VITÓRIA DO ‘SIM’ NOS REFERENDOS

As autoridades pró-Rússia nas regiões ucranianas de Zaporijia, Kherson e Lugansk reivindicaram hoje uma vitória do “sim” à anexação pela Rússia, estando ainda a aguardar-se pelos resultados da quarta região ucraniana ocupada pela Federação Russa.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

As autoridades pró-Rússia nas regiões ucranianas de Zaporijia, Kherson e Lugansk reivindicaram hoje uma vitória do “sim” à anexação pela Rússia, estando ainda a aguardar-se pelos resultados da quarta região ucraniana ocupada pela Federação Russa.

De acordo com autoridades eleitorais instaladas pela Rússia nas quatro regiões, 93,11% dos cidadãos de Zaporijia votaram a favor da anexação à Rússia, após a contagem de 100% dos boletins de voto.

Na região de Kherson, a administração de Moscovo informou que 87,05% dos eleitores votaram a favor do “sim” à anexação, tendo sido também contados todos os votos.

Pouco depois, as autoridades em Lugansk também anunciaram a vitória do “sim”, enquanto a contagem na quarta região ucraniana onde também se realizou um “referendo”, o Donbass (leste), continua, apesar de as autoridades já terem anunciado que “o sim prevaleceu largamente”.

Hoje, a presidência russa (Kremlin) voltou a ameaçar com o uso de armas nucleares para defender os territórios em causa.

Os referendos, contestados tanto por Kiev como pelo Ocidente, deverão servir de pretexto para Moscovo anexar as quatro regiões, o que poderá acontecer já na sexta-feira.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kouleba, ignorou os números relativos à votação, que foram sendo anunciados durante o dia, e assegurou que “não muda nada” nas ações militares de Kiev.

Os aliados da Ucrânia também denunciaram estas votações, organizadas com caráter de urgência pela Rússia face ao progresso das forças de Kiev.

O subsecretário-geral da ONU para Assuntos Políticos reiterou, numa reunião do Conselho de Segurança sobre os “referendos” de anexação hoje realizada, o apoio da ONU à “integridade territorial da Ucrânia” e das “suas fronteiras reconhecidas”.

O G7, grupo dos sete países mais industrializados do mundo (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) prometeu “jamais reconhecer” os resultados enquanto Washington garantiu que dará “uma resposta severa” através de novas sanções económicas.

Em 2014, a Rússia usou o resultado de um referendo realizado sob ocupação militar para legitimar a anexação da península ucraniana da Crimeia, no Mar Negro.

LER MAIS

INTERNACIONAL

DINAMARCA CONSIDERA ‘AÇÕES DELIBERADAS’ FUGAS NOS GASODUTOS NORD STREAM

A primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, considerou hoje as fugas identificadas nos gasodutos submarinos Nord Stream no mar Báltico “ações deliberadas” por criminosos desconhecidos, juntando-se assim a outros líderes que apontaram para uma possível sabotagem.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, considerou hoje as fugas identificadas nos gasodutos submarinos Nord Stream no mar Báltico “ações deliberadas” por criminosos desconhecidos, juntando-se assim a outros líderes que apontaram para uma possível sabotagem.

Questionada se um incidente constituiu um ataque à Dinamarca, Frederiksen respondeu que não, porque as fugas aconteceram em águas internacionais.

A primeira explosão foi registada na segunda-feira a sudeste da ilha dinamarquesa de Bornholm, segundo o diretor da Rede Sísmica Nacional Sueca, Bjorn Lund.

Um segundo rebentamento mais forte a nordeste da ilha naquela noite equivaleu a um sismo de magnitude 2,3 na escala de Richter.

As estações sísmicas na Dinamarca, Noruega e Finlândia também registaram as explosões.

Frederiksen disse que “não há informações sobre quem poderia estar por trás” do sucedido.

Na quarta-feira, o ministro da Defesa dinamerquês, Morten Bødskov, vai viajar para Bruxelas para se encontrar com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, para falar sobre o assunto.

Também o ministro do Petróleo e da Energia norueguês, Terje Aasland, juntou-se à torrente de suspeitas de sabotagem.

“O Governo norueguês está a acompanhar os eventos no mar Báltico, onde há fugas de gás do Nord Stream 1 e do Nord Stream 2. De acordo com informações recolhidas até agora, indica atos de sabotagem”, observou Aasland.

Durante a tarde do hoje, o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, também considerou o incidente de “ato de sabotagem”.

“A era do domínio russo no setor do gás está a chegar ao fim. Uma era marcada por chantagens, ameaças e roubos”, declarou Morawiecki.

Por seu turno, os Estados Unidos declararam-se hoje “prontos” para ajudar os seus parceiros europeus a solucionar as fugas identificadas nos gasodutos submarinos Nord Stream no mar Báltico.

“Os nossos parceiros europeus estão a realizar uma investigação. Nós estamos prontos para apoiar os seus esforços”, declarou hoje o Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, através de um porta-voz, a propósito das fugas detetadas nos gasodutos submarinos Nord Stream no mar Báltico.

Recusando-se a “especular” sobre as causas de tais fugas numa infraestrutura essencial para o abastecimento de gás russo, o porta-voz acrescentou: “Isso ilustra a importância dos nossos esforços conjuntos para encontrar fornecimentos de gás alternativos para a Europa”.

Um instituto sísmico sueco anunciou hoje que a Suécia detetou duas explosões submarinas, “muito provavelmente devido a detonações”, perto dos locais onde foram detetadas fugas nos gasodutos que transportam gás russo para a Europa.

As autoridades dinamarquesas e suecas detetaram fugas no gasoduto Nord Stream 1, que a Rússia encerrou no início de setembro, e no gasoduto Nord Stream 2, que nunca foi posto em funcionamento, devido à falta de autorização da Alemanha, na sequência da invasão russa da Ucrânia, a 24 de fevereiro.

Apesar de não estarem operacionais, os dois gasodutos operados por um consórcio da gigante russa Gazprom estavam cheios de gás.

A Ucrânia acusou hoje a Rússia de responsabilidade pelas fugas nos gasodutos, denunciando um “ataque terrorista” contra a União Europeia.

“A fuga de gás em grande escala do Nord Stream 1 não é mais do que um ataque terrorista planeado pela Rússia e um ato de agressão contra a União Europeia”, disse o conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podoliak no Twitter, citado pela agência de notícias francesa AFP.

LER MAIS

MAIS LIDAS