LIGUE-SE A NÓS

O QUE PROCURA ?

INTERNACIONAL

RÚSSIA, IRÃO, COREIA DO NORTE E CHINA NA ORIGEM DOS CIBERATAQUES MAIS EFICAZES

O nível de eficácia dos ciberataques por entidades estatais teve um aumento de 20% para 40% em apenas um ano, sendo os principais autores Rússia, Irão, Coreia do Norte e China, segundo um relatório hoje divulgado pela Microsoft.

blank

O nível de eficácia dos ciberataques por entidades estatais teve um aumento de 20% para 40% em apenas um ano, sendo os principais autores Rússia, Irão, Coreia do Norte e China, segundo um relatório hoje divulgado pela Microsoft.

O estudo da defesa digital da Microsoft, que cobre o período entre julho de 2021 e junho de 2022, revela que, desde fevereiro deste ano, assiste-se ao começo da “guerra híbrida”, marcada pelos ataques físicos e digitais da Rússia contra a Ucrânia.

Houve um aumento da eficácia dos ataques, devido principalmente aos avanços da Rússia na tentativa de destruição das infraestruturas da Ucrânia e espionagem aos países aliados, incluindo aos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Alemanha e Suíça.

A Rússia foi origem de 90 por cento dos ataques detetados no ano passado visando países da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte), sendo que 48% desses ataques comprometeram empresas de tecnologias de informação (TI), de acordo com o relatório da Microsoft.

Irão, Coreia do Norte e China foram também dos principais atores de ciberataques, tendo como objetivo a recolha de informação, interrupção de processos e serviços, roubo de criptomoedas ou destruição de dados e obtenção de receitas.

Entre julho de 2021 e junho de 2022, a Microsoft afirma ter bloqueado 37 mil milhões de ameaças por correio eletrónico e 34,7 mil milhões de ameaças de roubo de identidade. Os principais setores afetados pelos ataques detetados pela Microsoft são as TI, ONG e grupos de reflexão, educação, governos, finanças, meios de comunicação, serviços de saúde, transportes, organizações intergovernamentais e comunicações.

O relatório mostra também que continuam a aumentar os ataques de ‘ransomware’, um ‘software’ malicioso utilizado por cibercriminosos, e ‘phishing’ (roubo de dados).

Só no último ano, foram registados, por segundo, cerca de 921 ataques a ‘passwords’, um aumento de 74% face ao ano anterior.

Muitos destes resultaram em ataques que afetaram setores como a indústria, saúde, retalho, educação, energia, finanças, governos e TI.

Tal como os ataques de ‘ransomware’, as mensagens de correio eletrónico de ‘phishing’ também aumentaram, com a Microsoft a detetar cerca de 710 milhões destas mensagens bloqueadas por semana.

Apesar dos temas da covid-19 terem sido menos prevalecentes do que em 2020, a guerra na Ucrânia motivou novas estratégias de ‘phishing’, desde o início de março de 2022, com mensagens de correio eletrónico de organizações falsas solicitando doações em criptomoedas, alegadamente para apoiar cidadãos ucranianos.

O estudo da Microsoft teve com base mais de 43 triliões de sinais diários.

Quer comentar ?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

INTERNACIONAL

O Kremlin negou hoje que a Rússia e os Estados Unidos estejam em contacto para promover negociações de paz com Kiev, após fonte militar...

INTERNACIONAL

A página de internet do Parlamento Europeu foi hoje alvo de um ciberataque, no dia em que a instituição aprovou uma resolução em que...

INTERNACIONAL

O Parlamento Europeu aprovou hoje uma resolução em que reconhece a Rússia como um Estado patrocinador do terrorismo, apresentada pelo grupo político dos Conservadores...

INTERNACIONAL

O exército russo causou a morte a pelo menos 438 crianças na Ucrânia desde que começou a invasão, a 24 de fevereiro, disse hoje...

RÁDIO REGIONAL

blank


DESPORTO DIRETO


LINHA CANCRO

RÁDIO REGIONAL


EMISSÃO NACIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




EMISSÃO REGIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




WEBRÁDIOS TEMÁTICAS



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER