LIGUE-SE A NÓS

O QUE PROCURA ?

REGIÕES

AMARES: ACIDENTE DE HELICÓPTERO COM NOVAS CRÍTICAS À SEGURANÇA DE VOO

A Associação de Proteção e Socorro (APROSOC) referiu hoje que a presença de dois pilotos nas aeronaves de combate a incêndios “redobra a segurança em voo”, podendo “evitar acidentes”.

blank

A Associação de Proteção e Socorro (APROSOC) referiu hoje que a presença de dois pilotos nas aeronaves de combate a incêndios “redobra a segurança em voo”, podendo “evitar acidentes”.

A observação da APROSOC surge um dia depois de um helicóptero que estava a combater um incêndio em Amares (Braga) ter-se despenhado.

“(…) A presença de dois pilotos nas aeronaves redobra a segurança em voo, possibilitando evitar acidentes com as tripulações das aeronaves e terceiros no solo”, salientou em comunicado.

A APROSOC lembrou ainda que “os níveis de radiação dos cabos de transporte de energia elétrica são detetáveis com analisadores espetrais com medidores de intensidade de campo, sinal este que aumenta em função da proximidade desses cabos cuja radiação é frequentemente alvo de queixas dos radioamadores na Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM)”.

“Neste contexto, ainda que não existissem outros sistemas na aeronáutica civil (radares de proximidade, sistemas de termografia, entre outros) para a deteção de obstáculos no ar, reitera esta associação a sua forte convicção de que é possível essa deteção, em especial no que respeita a cabos de transporte de energia elétrica e que, tal situação possibilita evitar acidentes com aeronaves”, sublinhou.

Na quinta-feira, a associação havia criticado “ausência de equipamento específico para a deteção de obstáculos no ar” devido ao acidente registado no concelho de Braga.

“Infelizmente esta queda em nada nos surpreende, estes meios reportam frequentemente avarias em voo (…), colocando mesmo em causa as inspeções técnicas realizadas”, realçou o presidente da APROSOC, João Paulo Saraiva, em comunicado.

Para João Paulo Saraiva, a ausência de equipamento de detenção de obstáculos “continua a fazer vítimas e a revelar que nada se aprendeu com os acidentes anteriores em que outros pilotos ficaram feridos ou perderam a vida”.

Um helicóptero que estava a combater um incêndio no concelho de Amares, distrito de Braga, despenhou-se ao final da tarde de quinta-feira na freguesia de Caldelas.

O piloto do helicóptero está “estável e internado nos cuidados intermédios” do Hospital de Braga, disseram hoje à agência Lusa fontes de socorro.

O piloto, de 53 anos, foi transportado na noite de quinta-feira para o Hospital de Braga, onde chegou cerca das 22:00, “em estado grave, mas não correndo risco de vida”, segundo a Proteção Civil.

Já o helicóptero é irrecuperável e já foi substituído hoje por um outro meio aéreo, disseram à agência Lusa fontes aeronáuticas.

Segundo estas fontes, o Bell 412, operado pela Helibravo, “ficou destruído, com perda total”.

Quer comentar ?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

REGIÕES

O presidente da Câmara de Freixo de Espada à Cinta reclamou esta segunda-feira a construção da barragem da Ferrarias, um empreendimento considerado de extrema...

REGIÕES

Um agente da PSP foi condenado a uma pena única de seis anos de prisão pela prática de dois crimes de incêndios, explosões e...

REGIÕES

O hospital de Chaves é desde este mês de novembro uma unidade de referenciação para doentes suspeitos de acidente vascular cerebral (AVC), garantindo uma...

REGIÕES

O Tribunal de Leiria condenou hoje pelo crime de peculato uma funcionária pública, que se apropriou de taxas moderadoras, a dois anos e três...

RÁDIO REGIONAL

blank


DESPORTO DIRETO


LINHA CANCRO

RÁDIO REGIONAL


EMISSÃO NACIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




EMISSÃO REGIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




WEBRÁDIOS TEMÁTICAS



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER