LIGUE-SE A NÓS

O QUE PROCURA ?

NACIONAL

ASSIS QUER COMENTADOR ALEXANDRE GUERREIRO FORA DO CONSELHO DE MINISTROS

O ex-dirigente socialista e presidente do Conselho Económico de Social CES), Francisco Assis, considera que o jurista e comentador televisivo Alexandre Guerreiro enxovalha o Estado Português e deve ser afastado da Presidência do Conselho de Ministros.

blank

O ex-dirigente socialista e presidente do Conselho Económico de Social CES), Francisco Assis, considera que o jurista e comentador televisivo Alexandre Guerreiro enxovalha o Estado Português e deve ser afastado da Presidência do Conselho de Ministros.

Esta posição do antigo líder parlamentar do PS relativamente a Alexandre Guerreiro, que já foi quadro do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED) e que tem justificado a intervenção militar russa na Ucrânia, consta de um comunicado pessoal que hoje enviou à agência Lusa.

“A permanência do dr. Alexandre Guerreiro junto da Presidência do Conselho de Ministros enxovalha o Estado português e colide radicalmente com o posicionamento político publicamente afirmado pelo Governo em relação à bárbara invasão russa do Estado soberano da Ucrânia”, sustenta Francisco Assis.

O antigo eurodeputado do PS afirma mesmo que Alexandre Guerreiro é “um colaboracionista do autocrático e criminoso poder instalado no Kremlin”, razão pela qual “não pode estar associado ao centro nevrálgico do poder político executivo português”.

“É imperioso, em nome da dignidade nacional e do respeito pelo martirizado povo ucraniano, que sejam adotadas as medidas conducentes à supressão desta grave anomalia institucional”, acrescenta Francisco Assis.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.232 civis, incluindo 112 crianças, e feriu 1.935, entre os quais 149 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Quer comentar ?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

INTERNACIONAL

O Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou hoje que o seu país vai continuar a atacar infraestruturas de energia ucranianas, cujos ataques já obrigaram Kiev...

ECONOMIA & FINANÇAS

Os preços médios dos combustíveis regressaram esta semana a valores abaixo dos praticados antes da guerra na Ucrânia, em 24 de fevereiro, com as...

INTERNACIONAL

O Kremlin negou hoje que a Rússia e os Estados Unidos estejam em contacto para promover negociações de paz com Kiev, após fonte militar...

INTERNACIONAL

A página de internet do Parlamento Europeu foi hoje alvo de um ciberataque, no dia em que a instituição aprovou uma resolução em que...

RÁDIO REGIONAL

blank


DESPORTO DIRETO


LINHA CANCRO

RÁDIO REGIONAL


EMISSÃO NACIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




EMISSÃO REGIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




WEBRÁDIOS TEMÁTICAS



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER