LIGUE-SE A NÓS

O QUE PROCURA ?

REGIÕES

AVEIRO: SUSPEITA DE HOMICÍDIO DO MARIDO ALEGA ‘LEGÍTIMA DEFESA’

A mulher suspeita de ter matado à facada o marido em agosto de 2021 disse hoje no Tribunal de Aveiro ter agido em legítima defesa, alegando que o que aconteceu foi “um ato de sobrevivência”.

blank

A mulher suspeita de ter matado à facada o marido em agosto de 2021 disse hoje no Tribunal de Aveiro ter agido em legítima defesa, alegando que o que aconteceu foi “um ato de sobrevivência”.

Perante o coletivo de juízes, a arguida, de 57 anos, relatou os factos ocorridos na residência do casal de uma forma calma e sem qualquer emoção, afirmando que foi o marido que começou com as agressões, por não aceitar a ideia de que ela pudesse pedir o divórcio.

“Ele disse que me tirava a vida, que se não fosse dele não era de mais ninguém e começou a espetar-me com uma faca”, contou a arguida, que falava na primeira sessão do julgamento em que responde por um crime de homicídio qualificado.

A mulher, que se encontra em prisão preventiva, afirmou que agarrou num ancinho e começou a lutar com o marido, tendo perdido a noção do que estava a fazer.

“Não sei como é que consegui fazer aquilo (…) Foi um ato de sobrevivência”, exclamou, negando ser uma pessoa violenta.

Após as agressões, a arguida contou que o companheiro disse que ia à casa de banho e caiu no chão, não se tendo apercebido que ele estava inanimado, e explicou que não pediu socorro porque pensava que ele “estava a fazer fitas”.

“Na minha cabeça ele estava vivo”, referiu a arguida, afirmando que o chamou várias vezes para ir para a cama.

Já de manhã, a arguida referiu que saiu à rua para comprar cigarros e regressou a casa, tendo chamado o marido para comer qualquer coisa, e só perto da hora do almoço é que teve a noção de que ele estava morto, tendo enviado uma mensagem à irmã a contar o sucedido.

O crime ocorreu na noite de 04 de agosto de 2021, na residência do casal na rua Cândido dos Reis, no centro da cidade de Aveiro.

A acusação do Ministério Público (MP) refere que a arguida e a vítima mantinham, desde o início da relação em julho de 2019, conflitos no seio do casal, existindo uma queixa pelo crime de violência doméstica contra o elemento masculino que não chegou a ter julgamento.

De acordo com a investigação, a mulher desferiu uma pancada na cabeça da vítima com um ancinho, logo após muniu-se de uma faca e, já no quarto, desferiu vários golpes na zona da garganta da vítima.

O MP refere ainda que quando a vítima estava inanimada, caída no chão do corredor, para onde fugiu na tentativa de sair de casa, a arguida desferiu-lhe diversas facadas na zona do tórax, tendo-lhe provocado, no total, 85 ferimentos.

Quer comentar ?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

REGIÕES

O presidente da Câmara de Freixo de Espada à Cinta reclamou esta segunda-feira a construção da barragem da Ferrarias, um empreendimento considerado de extrema...

REGIÕES

Um agente da PSP foi condenado a uma pena única de seis anos de prisão pela prática de dois crimes de incêndios, explosões e...

REGIÕES

O hospital de Chaves é desde este mês de novembro uma unidade de referenciação para doentes suspeitos de acidente vascular cerebral (AVC), garantindo uma...

REGIÕES

O Tribunal de Leiria condenou hoje pelo crime de peculato uma funcionária pública, que se apropriou de taxas moderadoras, a dois anos e três...

RÁDIO REGIONAL

blank


DESPORTO DIRETO


LINHA CANCRO

RÁDIO REGIONAL


EMISSÃO NACIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




EMISSÃO REGIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




WEBRÁDIOS TEMÁTICAS



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER