Ligue-se a nós

NACIONAL

BAIXA LITERACIA LIGADA A PIOR SAÚDE MENTAL EM TODO O MUNDO

As pessoas com baixa literacia enfrentam mais problemas de saúde mental em todo o mundo, indica um estudo da Universidade de East Anglia (UEA), no Reino Unido, publicado hoje na revista científica ‘Mental Health and Social Inclusion’.

Online há

em

As pessoas com baixa literacia enfrentam mais problemas de saúde mental em todo o mundo, indica um estudo da Universidade de East Anglia (UEA), no Reino Unido, publicado hoje na revista científica ‘Mental Health and Social Inclusion’.

Segundo um comunicado da UEA, o estudo “Literacia e Saúde Mental em todo o mundo: uma análise sistemática” é “o primeiro a olhar para o quadro global da literacia e da saúde mental”.

A investigação mostra que os 14% da população mundial com mais baixa literacia ou sem alfabetização têm uma maior probabilidade de sofrer de problemas de saúde mental, como depressão e ansiedade.

“Apesar do aumento das taxas de alfabetização nos últimos 50 anos, ainda há cerca de 773 milhões de adultos em todo o mundo que não sabem ler ou escrever”, assinala Bonnie Teague, professora associada da UEA, citada no comunicado.

A investigadora adianta que aquelas taxas “são mais baixas nos países em desenvolvimento e naqueles com um histórico de conflitos” e que “as mulheres são afetadas de forma desproporcional”, representando dois terços dos analfabetos no mundo.

Bonnie Teague refere ainda que se sabe que as pessoas com mais instrução “tendem a ter melhores resultados sociais”, por exemplo a encontrar emprego e a conseguir melhores ordenados.

Além disso, “não ser capaz de ler ou escrever trava a evolução de uma pessoa ao longo da sua vida” e está ligada à pobreza, estando igualmente relacionada “com problemas de saúde, doenças crónicas e uma menor esperança de vida”.

A equipa de investigadores do Departamento de Psicologia Clínica e Terapias Psicológicas (CPPT na sigla em inglês), da UEA, analisou dados de 19 estudos com cálculos sobre literacia e saúde mental, realizados em nove países diferentes (China, Brasil, Estados Unidos, Gana, Índia, Irão, Nepal, Paquistão e Tailândia), envolvendo quase dois milhões de pessoas e um número semelhante de homens e mulheres.

“O que descobrimos foi uma associação significativa entre a literacia e a saúde mental em vários países”, diz Lucy Hunn, cuja participação no estudo fez parte do seu doutoramento em formação de psicologia clínica na UEA, ressalvando que não pode ser dito “com certeza que a baixa alfabetização causa problemas de saúde mental”.

O relatório ressalva as limitações de os estudos incluídos serem de “apenas nove países, muitos dos quais países de rendimento médio-baixo, pelo que não pode ser considerado verdadeiramente representativo do quadro global”.

“Pode haver vários fatores que têm impacto na saúde mental e que também afetam a alfabetização – como a pobreza ou viver numa área com histórico de conflito. No entanto, o que os dados mostram é que, mesmo nesses ambientes, se verifica uma pior saúde mental nos que têm baixa literacia”, indica Lucy Hunn, citada no referido comunicado.

O estudo considera que “a promoção da alfabetização desde tenra idade e ao longo da vida tem o potencial de ter um impacto positivo na saúde mental”.

Destaca, por outro lado, “a importância de os profissionais de saúde serem capazes de identificar e apoiar pessoas com baixa literacia” nos serviços ligados à saúde mental.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

NACIONAL

GREVE DOS TRABALHADORES DA CP PODE CAUSAR PERTURBAÇÕES NA CIRCULAÇÃO

O Tribunal Arbitral decretou serviços mínimos de 20% para os comboios urbanos e regionais mas a greve dos trabalhadores da CP, convocada por diversos sindicatos, que decorre hoje e na quarta-feira, deverá levar a perturbações na circulação.

Online há

em

O Tribunal Arbitral decretou serviços mínimos de 20% para os comboios urbanos e regionais mas a greve dos trabalhadores da CP, convocada por diversos sindicatos, que decorre hoje e na quarta-feira, deverá levar a perturbações na circulação.

De acordo com informação divulgada no site da CP, os serviços mínimos foram decretados para os comboios urbanos e regionais, não contemplando os restantes. A decisão do Tribunal Arbitral abrange, na percentagem referida, o serviço Regional e Interregional (linhas do Minho, Douro, Leste, Oeste, Beira Baixa e linha do Norte — neste último caso de e para Coimbra/Entroncamento) e o Urbano (linhas da Azambuja, Coimbra e Guimarães).

“Informamos que, por motivo de greves convocadas pelos sindicatos ASCEF, ASSIFECO, FENTCOP, SINAFE, SINDEFER, SINFA, SINFB, SIOFA, SNAQ, SNTSF, STF e STMEFE, para o período compreendido entre as 00:00 e as 24:00 dos dias 22 e 24 de julho de 2024, preveem-se perturbações na circulação com impacto nos dias 22 e 24 de julho”, refere a CP numa nota.

“Aos clientes que já tenham bilhetes adquiridos para viajar em comboios dos serviços Alfa Pendular, Intercidades, Internacional, Interregional e Regional, a CP permitirá o reembolso, no valor total do bilhete adquirido, ou a sua troca gratuita para outro comboio da mesma categoria e na mesma classe”, indicou.

O reembolso ou troca podem ser efetuados no ‘site’ da CP ou nas bilheteiras, até 15 minutos antes da partida. Podem ainda pedir a devolução do dinheiro até 10 dias depois da greve.

Estes trabalhadores já estiveram em greve no dia 28 de junho.

Para os sindicatos, “é inaceitável” que a administração da CP, depois de ter garantido que iria estender a todos os trabalhadores um acordo que foi celebrado com uma organização sindical, queira condicionar isso à aceitação da proposta de regulamento de carreiras.

O Governo, a CP e o Sindicato Nacional dos Maquinistas dos Caminhos de Ferro Portugueses (SMAQ), que tinha convocado uma greve entre 27 de junho e 14 de julho, que foi suspensa, chegaram, recentemente, a acordo.

A operadora chegou também a acordo com o Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI) quanto à revisão das carreiras, incluindo um aumento salarial de 1,5% e a subida do subsídio de refeição para 9,20 euros.

A Fectrans defendeu que a proposta “aumenta a polivalência de funções e não valoriza a grelha salarial”, o que disse ser uma “medida estratégica” para recrutar novos trabalhadores e manter os atuais.

LER MAIS

NACIONAL

ONZE DISTRITOS SOB AVISO LARANJA ENTRE HOJE E QUARTA-FEIRA DEVIDO AO CALOR

Onze distritos de Portugal continental vão estar sob aviso laranja entre hoje e quarta-feira devido à previsão de tempo quente, indicou esta madrugada o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Online há

em

Onze distritos de Portugal continental vão estar sob aviso laranja entre hoje e quarta-feira devido à previsão de tempo quente, indicou esta madrugada o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Os distritos de Évora, Setúbal, Santarém, Beja e Portalegre vão estar sob aviso laranja entre as 09:00 de hoje e as 18:00 de quarta-feira, referiu o IPMA em comunicado.

Já distritos de Bragança, Viseu, Guarda, Vila Real, Castelo Branco e Braga vão estar sob aviso laranja entre as 09:00 de terça-feira e as 18:00 de quarta-feira.

O aviso laranja (o segundo mais elevado) é emitido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera quando existe uma situação meteorológica de risco moderado a elevado.

LER MAIS

MAIS LIDAS