LIGUE-SE A NÓS

O QUE PROCURA ?

ECONOMIA & FINANÇAS

PREÇO DO GÁS DE GARRAFA SUBIU 19,5% NO 3º TRIMESTRE DE 2022

O preço médio de venda ao público (PMVP) do gás butano em garrafa subiu 19,5%, no terceiro trimestre, em termos homólogos, para 2,433 euros por quilograma (euros/kg), enquanto o propano a granel subiu 34,7%, para 2,308 euros/kg.

blank

O preço médio de venda ao público (PMVP) do gás butano em garrafa subiu 19,5%, no terceiro trimestre, em termos homólogos, para 2,433 euros por quilograma (euros/kg), enquanto o propano a granel subiu 34,7%, para 2,308 euros/kg.

Segundo dados da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro), hoje divulgados, no terceiro trimestre, “comparando com o trimestre homólogo, houve uma subida do preço em 39,7 cêntimos/kg (+19,5%)”, no butano em garrafas, de 2,036 euros/kg (euros por quilograma) para 2,433 euros/kg.

No entanto, comparando com o trimestre anterior, verificou-se uma descida de 20,2 cêntimos/kg (-7,7%).

“Conclui-se que, no terceiro trimestre de 2022, o principal fator para a descida do PMVP do butano em garrafas face ao trimestre anterior foi a descida das cotações (-20,7 cent/kg) que absorveu a subida dos custos médios de Armazenagem Distribuição e Comercialização (+4,2 cent/kg). O IVA desceu 3,8 cent/kg, derivado da descida do PMVP”, apontou a Apetro.

Já o PMVP do propano a granel, um sistema de abastecimento de gás de petróleo liquefeito (GPL) através de cilindros, subiu 59,5 cêntimos/kg (+34,7%), face ao mesmo trimestre do ano passado, de 1,713 euros/kg para 2,308 euros/kg.

Comparativamente ao trimestre anterior, o propano a granel desceu 1,7 cent/kg (-0,7%).

Verifica-se que o principal fator “para a descida do PMVP do propano a granel durante o terceiro trimestre de 2022 foi a descida da cotação (-3,4 cent/kg), que absorveu a subida dos custos médios de Armazenagem Distribuição e Comercialização (+2,0 cent/kg). O IVA desceu 0,3 cent/kg, derivado da descida do PMVP”, explicou a associação das petrolíferas.

No período em análise, verificou-se um aumento dos custos de armazenagem, distribuição e comercialização (ADC) em 4,2 cêntimos/kg e 2,0 cêntimos/kg, respetivamente.

“Estes aumentos da ADC, que se seguiram a diminuições no trimestre anterior, refletem o atraso com que as alterações das cotações se refletem nos preços, devido à longa cadeia de valor do GPL, nomeadamente o embalado, e também ao facto de apenas dispormos da publicação de valores mensais, pela DGEG [Direção-Geral de Energia e Geologia]”, apontou a Apetro.

Quer comentar ?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ECONOMIA & FINANÇAS

O secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Nuno Fazenda, defendeu hoje que é necessário trabalhar numa campanha que promova especificamente o turismo...

ECONOMIA & FINANÇAS

O Governo vai rever a carreira dos oficiais de justiça ainda em 2023, comprometendo-se a fazê-lo também para técnicos de reinserção social em 2024...

ECONOMIA & FINANÇAS

O regulador das comunicações considerou hoje “injustificado” o aumento dos preços pelos três principais operadores e defendeu a redução do prazo máximo das fidelizações...

REGIÕES

Arrendar um apartamento na grande Lisboa durante a semana da Jornada Mundial da Juventude pode custar mais de 3.000 euros e em Fátima 8.000...

RÁDIO REGIONAL

blank


DESPORTO DIRETO


LINHA CANCRO

RÁDIO REGIONAL


EMISSÃO NACIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




EMISSÃO REGIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




WEBRÁDIOS TEMÁTICAS



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER