Ligue-se a nós

DESPORTO

VITÓRIA SC X SPORTING CP: ANÁLISE DE JOSÉ AUGUSTO SANTOS

Vitória e Sporting prometeram muito no início e no fim da 1ª parte e cumpriram com uma eletrizante, intensa, imprevisível e bem jogada 2ª parte em que o empate premiava 2 equipas que não mereceram perder. O Vitória foi mais eficaz, com menos remates, menor tempo de posse de bola e número de oportunidades de golo.

Online há

em

Vitória e Sporting prometeram muito no início e no fim da 1ª parte e cumpriram com uma eletrizante, intensa, imprevisível e bem jogada 2ª parte em que o empate premiava 2 equipas que não mereceram perder. O Vitória foi mais eficaz, com menos remates, menor tempo de posse de bola e número de oportunidades de golo.

Ruben Amorim privado de Coates, por motivos disciplinares e de St. Juste, lesionado optou por colocar na linha de 3 centrais Ricardo Esgaio sobre a direita, Diomande no meio e Gonçalo Inácio sobre a esquerda. Nas alas deu a titularidade a Geny Catamo e Matheus Reis. No meio-campo Morita fez a habitual dupla no corredor central com Hjulmand e no ataque Gyokeres teve a companhia de Marcus Edwards e Pote.

Álvaro Pacheco também se manteve fiel à sua estrutura tática, fez a troca no meio-campo de Dani Silva por Tiago Silva que fez companhia a Tomás Handel, manteve os 3 centrais, Jorge Fernandes, Borevkovic e Tomás Ribeiro. Entregou os corredores laterais a Miguel Maga na direita e Ricardo Mangas na esquerda e no ataque Jota na direita, João Mendes na esquerda no apoio a André Silva, em organização defensiva posicionou-se em bloco médio/baixo e tentou surpreender o Sporting em transição com a ligação dos 2 médios aos alas. No início conseguiu uma boa oportunidade com Jota a isolar-se e a rematar à figura de Adán. O Sporting respondeu com uma excelente jogada individual de Pedro Gonçalves que se desembaraçou da marcação de Jorge Fernandes e com um excelente remate fez Bruno Varela fazer a defesa da noite.

O início prometeu, mas a realidade é que a intensidade e velocidade das 2 equipas baixou substancialmente com o Sporting a assumir a posse de bola, o que impedia as transições do Vitória que também nunca se desorganizou. Nessa fase o jogo desenrolou-se com duelos no meio-campo, mas sem alguma das equipas criar situações para marcar. Na parte final da primeira parte Morita antecipou-se a Miguel Maga, muito macio no lance e ofereceu o golo a Gonçalo Inácio. O Vitória respondeu prontamente e Adán “derrubou” Ricardo Mangas. Tiago Silva converteu o penalti restabelecendo o empate e deu justiça ao marcador atendendo ao equilíbrio dos primeiros 45 minutos.

Se na primeira parte as equipas prometeram praticar futebol ofensivo e eficaz, na segunda cumpriram. Assistimos a um empolgante espetáculo com o público a dar forte contributo. Boa entrada do Vitória, a repetir o que aconteceu na 1ª parte, o Sporting a reagir, com as alterações promovidas por Ruben Amorim, saída de Esgaio (amarelado) colocou Nuno Santos no lado esquerdo, Trincão e Paulinho por troca com os apagados Hjulmad e Marcus Edwards, com o recuo de Pedro Gonçalves para o apoio no corredor central a Morita, tornou o meio-campo e ataque mais imprevisível e perigoso. Contra a corrente do jogo, o Vitória passou para a frente no marcador, numa excelente transição, com Handel a solicitar a velocidade de Jota Silva, magnifico cruzamento, remate de João Mendes e fantástica defesa de Adán, na recarga André Silva com um remate forte, com a bola a sofrer um desvio em Morita fez o 2-1.

Advertisement

Rápida resposta do Sporting com Nuno Santos a explorar o espaço na esquerda a isolar-se empatar. O Sporting estava por cima no jogo e Álvaro Pacheco percebeu que a sua equipa estava a perder capacidade física e com 3 alterações que se revelaram decisivas para a vitória acaba por ter interferência determinante na vitória do Vitória SC. A excelente jogada do 3-2 tem a participação do recém-entrado Nélson da Luz, Ricardo Mangas e de Dani Silva que com triangulação e arrancada fulgurante faz um grande golo, surpreendendo Adán, que estaria à espera de um cruzamento da posição onde o jovem médio vitoriano rematou.

O Sporting ainda tentou o empate, em desespero, criou algumas oportunidades para marcar, mas faltou cabeça fria, clarividência e eficácia na finalização.

Os melhores no Vitória foram, Tomás Handel, que está na idade ideal para poder jogar em equipas com outros objetivos (tem qualidade para jogar na dupla de médios do corredor central em qualquer dos nossos 4 grandes) e Borevkovic que ao anular aquele que é o principal jogador do Sporting, Viktor Gyokeres foi decisivo para a vitória dos conquistadores. Também Tiago Silva e Dani Silva foram influentes na boa exibição e eficácia dos vitorianos.

Geny Catamo, Pedro Gonçalves e Diomande foram os melhores no Sporting, num jogo em que Marcus Edwards fez uma exibição muito apagada e em que Hjulmand voltou a fazer um jogo aquém das qualidades que já evidenciou em alguns jogos.

João Pinheiro se acertou na marcação da falta que deu origem ao penalti que deu empate ao Vitória fez uma excelente arbitragem. Se errou, teve influência no resultado e no jogo porque Mangas poderia ver segundo amarelo e consequente vermelho e seria diferente a abordagem à segunda parte a perder e com menos um jogador em campo. No Estádio fiquei com a sensação de que a falta existiu. Depois de ver as imagens na TV, não vejo Adán tocar com o joelho, em Ricardo Mangas, como indicou o árbitro. O VAR Hugo Miguel com os meios ao seu dispor tem a obrigação de fazer prevalecer a verdade desportiva.

Advertisement

José Augusto Santos, Comentador Desportivo e Treinador de Futebol Nível IV UEFA Pro.

Advertisement
DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

DESPORTO

LIGA DOS CAMPEÕES: FC PORTO VENCE ARSENAL COM GOLO DE GALENO AOS 90+4

Um golo de Galeno, em tempo de compensação, deu hoje ao FC Porto a vitória por 1-0 sobre o Arsenal, na primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, no Estádio do Dragão.

Online há

em

Um golo de Galeno, em tempo de compensação, deu hoje ao FC Porto a vitória por 1-0 sobre o Arsenal, na primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, no Estádio do Dragão.

O tento do triunfo surgiu no derradeiro minuto dos ‘descontos’, aos 90+4, permitindo que os ‘dragões’, campeões europeus em 1987 e 2004, entrem em vantagem no encontro da segunda mão, agendado para 12 de março, em Londres.

O FC Porto procura superar os ‘oitavos’ da ‘Champions’ pela sexta vez, depois de 2003/04, 2008/09, 2014/15, 2018/19 e 2020/21.

LER MAIS

DESPORTO

BENFICA: SCHMIDT DESTACA “BOA FASE” DA EQUIPA MOTIVADA PARA OS “OITAVOS”

O treinador Roger Schmidt destacou hoje a boa fase que o Benfica atravessa, pelo que espera dar continuidade ao momento no encontro com os franceses do Toulouse, rumo aos oitavos de final da Liga Europa em futebol.

Online há

em

O treinador Roger Schmidt destacou hoje a boa fase que o Benfica atravessa, pelo que espera dar continuidade ao momento no encontro com os franceses do Toulouse, rumo aos oitavos de final da Liga Europa em futebol.

Na passada semana, no Estádio da Luz, dois penáltis concretizados pelo argentino Ángel Di María, aos 68 e 90+8 minutos, com um tento do dinamarquês Mikkel Desler pelo meio, aos 75, selaram o 2-1 a favor das ‘águias’, mas, na quinta-feira, em Toulouse, o desafio da segunda mão do play-off será “diferente”.

“Espero um jogo difícil, porque a segunda mão de um jogo a eliminar é sempre diferente e difícil. A abordagem será um pouco diferente, eles precisam de golos para continuar e têm de atacar um pouco mais. Acreditamos em nós, queremos jogar o nosso futebol ofensivo e mostrar durante os 90 minutos que merecemos continuar na competição”, perspetivou, em conferência de imprensa.

E acrescentou: “A equipa está muito motivada. Estamos a atravessar uma boa fase e estamos bem o suficiente para vencermos o jogo”.

Para ultrapassar, novamente, o 13.º classificado da Liga francesa, as ‘águias’ vão ter de “jogar sempre com intensidade e transições”, de forma a “colocar o jogo longe” da sua área, segundo Schmidt.

Advertisement

A mãe do médio João Neves faleceu recentemente, com o treinador a mostrar-se solidário, embora sem garantir a titularidade do internacional luso em Toulouse.

“Muito chocado e triste. Estamos todos compreensivos sobre a decisão dele de treinar e jogar, porque era o que queria. A vida continua, estamos com ele e vamos falar antes de tomar a decisão sobre se joga ou não”, terminou.

O guarda-redes Trubin falou aos jornalistas antes do técnico germânico, para vincar que o objetivo dos ‘encarnados’ passa pela qualificação para os oitavos de final da competição.

“Todas as competições são muito importantes para o Benfica. O foco é vencer o Toulouse e avançar para a próxima fase. Espero que não seja necessário irmos a penáltis para ultrapassarmos a eliminatória”, expressou.

O Toulouse recebe o Benfica na quinta-feira, em jogo da segunda mão do play-off de acesso aos oitavos de final da Liga Europa, com início às 17:45 (hora de Lisboa), que será arbitrado pelo italiano Maurizio Marinai.

Advertisement
LER MAIS

MAIS LIDAS