LIGUE-SE A NÓS

O QUE PROCURA ?

INTERNACIONAL

BRASIL: EM 2022 A CADA SEIS HORAS UMA MULHER ERA ASSASSINADA

O Brasil registou um aumento de 5% nos casos de femicídio no ano passado face a 2021, com 1,4 mil mulheres mortas, ou seja, uma a cada seis horas, segundo dados oficiais compilados pelo portal de notícias G1.

O Brasil registou um aumento de 5% nos casos de femicídio no ano passado face a 2021, com 1,4 mil mulheres mortas, ou seja, uma a cada seis horas, segundo dados oficiais compilados pelo portal de notícias G1.

Este número é o maior registado no país desde que a lei de femicídio entrou em vigor, em 2015, e foi obtido com base nos dados oficiais dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal.

Segundo o G1, a subida acontece em contramão ao número de assassínios no país, com 40,8 mil casos (menos 1% em 2022 face a 2021), que foi o menor da série histórica do Monitor da Violência e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

Se forem consideradas apenas as mortes de mulheres, o que inclui também os casos que são classificados como femicídios, o número de mortes violentas no Brasil cresceu 3% no mesmo período, dado que indica o aumento de violência contra as mulheres.

Doze estados brasileiros registaram uma subida no número de homicídios de mulheres, segundo o mesmo levantamento, que apontou o Mato Grosso do Sul e Rondônia como os estados com o maior índice de homicídios de mulheres.

Outro dado relevante diz respeito à autoria destes crimes. De acordo com o Anuário de Segurança Pública, divulgado anualmente pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, oito em cada 10 crimes de feminicídio são cometidos pelo parceiro ou ex-parceiro da vítima.

“Ao contrário dos homicídios em geral, cujas motivações são as mais variadas, os femicídios têm sempre o mesmo cerne: a desigualdade de género”, afirmam as pesquisadoras Debora Piccirillo e Giane Silvestre, investigadoras do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP) ao G1.

“Esta desigualdade, que está presente nas relações sociais, é baseada na crença de que as mulheres são subalternas aos homens e que as suas vontades são menos relevantes. A violência de género reflete a radicalização desta crença que, muitas vezes, transforma as mulheres em objetos e ‘propriedade’ dos seus parceiros”, concluíram.

Quer comentar ?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

NACIONAL

Quase 2.600 crianças e jovens vítimas de crime e violência foram apoiados em 2022 pela Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), mais 32%...

REGIÕES

A mulher do triatleta Luís Grilo, Rosa Grilo, confessou hoje no Tribunal de Vila Franca de Xira, no distrito de Lisboa, ter matado o...

REGIÕES

O Tribunal de Vila Real condenou hoje o ex-presidente da Câmara de Murça João Teixeira a uma pena suspensa de três anos e seis...

REGIÕES

Pelo menos 13 pessoas foram detidas hoje numa operação no Grande Porto que investiga, entre outros crimes, furtos a residências, interior de veículos e...

RÁDIO REGIONAL


HELPO


DESPORTO DIRETO


RÁDIO REGIONAL: SD | HD





RÁDIO REGIONAL VILA REAL




RÁDIO REGIONAL CHAVES




RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA




RÁDIO REGIONAL MIRANDELA



MUSICBOX


WEBRADIO 100% PORTUGAL




WEBRADIO 100% POP-ROCK




WEBRADIO 100% OLDIES




WEBRADIO 100% LOVE SONGS




WEBRADIO 100% DANCE




WEBRADIO 100% BRASIL




WEBRADIO 100% INSPIRATION


PAGAMENTO PONTUAL