Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

COVID-19: OMS ALERTA PARA DÉFICE DE QUASE 470 MILHÕES DE VACINAS EM ÁFRICA EM 2021

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse hoje que o continente africano precisa de mais quase 470 milhões de vacinas para combater a pandemia de covid-19, perante um corte de 150 milhões de doses da iniciativa Covax.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse hoje que o continente africano precisa de mais quase 470 milhões de vacinas para combater a pandemia de covid-19, perante um corte de 150 milhões de doses da iniciativa Covax.

“Como o consórcio Covax [iniciativa multilateral destinada a garantir acesso global às vacinas] foi forçado a cortar, em cerca de 150 milhões de doses, as entregas de vacinas da covid-19 previstas para a África este ano, o continente enfrenta um défice de quase 500 milhões de doses, face ao que é o seu objetivo global de vacinação total de 40% da sua população” até ao final de 2021, referiu a representação da OMS para o continente africano, em comunicado.

Isto, apesar de “cerca de 95 milhões de doses adicionais” estarem previstas chegar a África, via Covax, “durante todo o mês de setembro”, sublinha o escritório da organização, com sede em Brazzaville, na República do Congo.

Segundo a OMS África, com o corte de 150 milhões de doses espera-se agora que sejam entregues 470 milhões de doses no continente africano, este ano, que “serão suficientes para vacinar apenas 17% da população, muito abaixo do objetivo de 40%”.

Pelo que “são necessárias mais 470 milhões de doses para atingir a meta do fim do ano”, mesmo que todos os envios planeados, através da Covax e da União Africana sejam entregues.

Este défice surge num momento em que África acabou de ultrapassar (esta semana) um total acumulado de oito milhões de casos de infeção pela doença.

“As proibições de exportação e o açambarcamento de vacinas têm um efeito de asfixia no fornecimento de vacinas a África. Enquanto os países ricos bloquearem a Covax fora do mercado, a África falhará os seus objetivos de vacinação. A enorme lacuna na equidade das vacinas não está a ser ultrapassada com a rapidez suficiente. É tempo de os países fabricantes de vacinas abrirem os portões e ajudarem a proteger aqueles que enfrentam o maior risco”, defende Matshidiso Moeti, diretora regional da OMS para África, citada no comunicado.

A responsável refere que “a iniquidade espantosa e o grave atraso nos carregamentos de vacinas ameaça transformar zonas em África, com baixas taxas de vacinação, em locais de reprodução para variantes resistentes à vacina”.

Isto “pode acabar por levar o mundo inteiro de volta à estaca zero”, alerta Moeti.

Com proibições de exportação, desafios no aumento da produção nos locais de fabrico da Covax e atrasos nos pedidos de aprovações regulamentares para novas entregas de vacinas muito restritivos, a Covax tem apelado aos países doadores para que partilhem os seus calendários de fornecimento para dar mais clareza ao processo de entregas.

A Covax também apelou aos países com vacinas suficientes para cederem o seu lugar na fila de entregas.

Os fabricantes de vacinas devem entregar essa informação à Covax, em conformidade com compromissos firmados, e os países que estão bem avançados nas vacinas devem expandir e acelerar as doações, assegurando que as doses estão disponíveis em volumes maiores, mais previsíveis e com validades mais longas.

Entretanto, “cerca de mais 95 milhões de doses estão previstas chegar a África, através da Covax, ao longo de setembro, naquela que será a maior remessa que o continente recebeu num mês até agora.

“No entanto, mesmo com as entregas que vão sendo feitas, África só foi capaz de fazer a vacinação completa de apenas 50 milhões de pessoas, ou seja, 3,6% da sua população”, refere a OMS.

“Cerca de 2% das quase 6 mil milhões de doses distribuídas globalmente foram administradas em África. A União Europeia e o Reino Unido vacinaram mais de 60% da sua população e os países de elevado rendimento administraram 48 vezes mais doses por pessoa do que as nações de baixo rendimento”, sublinha a organização na nota.

A OMS está a aumentar o apoio aos países africanos “para identificar e colmatar as lacunas” na vacinação contra a covid-19.

A organização ajudou 15 países africanos na realização de estudos, que analisaram todos os aspetos das suas campanhas de vacinação e assinalam recomendações para a melhorias do seu plano de vacinação.

No comunicado, a OMS destacou que em 14 de setembro registaram-se 8,06 milhões de casos de covid-19 em África e, enquanto a terceira vaga diminuiu, surgiram quase 125.000 novos casos na semana que terminou a 12 de setembro.

Embora esta seja uma queda de 27% em relação à semana anterior, os novos casos semanais ainda se encontram aproximadamente no pico da primeira vaga e 19 países continuam a reportar um número elevado de casos em rápido crescimento.

As mortes caíram 19%, para 2.531 na semana que terminou a 12 de setembro. Mas a variante Delta, altamente transmissível foi encontrada em 31 países africanos. A variante Alfa foi detetada em 44 países e a variante Beta em 39, adianta.

A covid-19 provocou pelo menos 4.656.833 mortes em todo o mundo, entre mais de 226,31 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

INTERNACIONAL

UM EM CADA CINCO CIDADÃOS DA UE EM RISCO DE POBREZA OU EXCLUSÃO SOCIAL

Cerca de um em cada cinco cidadãos da União Europeia (21,9%) encontrava-se, em 2020, em risco de pobreza ou de exclusão social, com Portugal a acompanhar esta tendência (20,0%), segundo dados hoje publicados pelo Eurostat.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Cerca de um em cada cinco cidadãos da União Europeia (21,9%) encontrava-se, em 2020, em risco de pobreza ou de exclusão social, com Portugal a acompanhar esta tendência (20,0%), segundo dados hoje publicados pelo Eurostat.

O relatório do gabinete oficial de estatísticas da UE revela que, no ano passado, existiam 96,5 milhões de pessoas na UE em risco de pobreza ou exclusão social, representando 21,9% da população – um aumento face aos 21,1% de 2019 -, com o Eurostat a apontar que, entre estas, 27,6 milhões estavam “gravemente privadas em termos materiais e sociais”.

Portugal encontra-se sensivelmente a meio da tabela, ligeiramente abaixo da média comunitária, com 20% da população em risco de pobreza ou de exclusão social, valor idêntico ao do Luxemburgo, e que representa, ainda assim, um recuo relativamente aos 21,1% de 2019.

Os Estados-membros com situações mais graves são a Roménia, onde 35,8% dos cidadãos foram identificados como estando em situação de risco, seguida da Bulgária (33,6%), da Grécia (27,5%) e, em quarto lugar, da Espanha (24,5%).

No extremo oposto da lista, os Estados-membros da UE com menor proporção da população em risco de pobreza ou de exclusão sociais são a República Checa (11,5%), a Eslováquia (13,8%) e a Eslovénia (14,3%).

LER MAIS

INTERNACIONAL

PETRÓLEO: CONSUMO E PROCURA ULTRAPASSARÁ NÍVEIS DE PRÉ-PANDEMIA EM 2022

A procura mundial de petróleo vai ultrapassar em 2022 os níveis anteriores à pandemia, impulsionada pelo aumento do preço do gás e do carvão, que terão consequências nos preços do “ouro negro”, advertiu esta quinta-feira a Agência Internacional de Energia (AIE).

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A procura mundial de petróleo vai ultrapassar em 2022 os níveis anteriores à pandemia, impulsionada pelo aumento do preço do gás e do carvão, que terão consequências nos preços do “ouro negro”, advertiu esta quinta-feira a Agência Internacional de Energia (AIE).

No relatório mensal sobre o mercado petrolífero, divulgado esta quinta-feira, a AIE estima que a procura mundial de petróleo atinja 99,5 milhões de barris por dia em 2022, acima dos níveis anteriores à pandemia, afirmando que a escassez da oferta e o elevado preço do gás natural e do carvão “está a provocar um desvio maciço” para o petróleo e seus derivados para a produção de energia e usos industriais.

Este forte aumento da procura acelerou desde setembro passado, impulsionado pela recuperação económica global pós-pandemia e pelas compras por comerciantes que estão a fugir dos elevados preços do gás e do carvão.

A forte procura, juntamente com a lenta recuperação da produção da OPEP+ (OPEP, Organização dos Países Exportadores de Petróleo e 10 aliados liderados pela Rússia), juntamente com os efeitos do furacão Ida na produção dos EUA e as paragens para manutenção em outros países produtores como o Canadá e a Noruega, provocaram a subida dos preços do petróleo para os níveis mais elevados em sete anos no início deste mês.

A AIE prevê um aumento “forte” da produção a partir deste mês de outubro, impulsionado pela recuperação nos EUA depois do Ida, o fim das operações de manutenção em outros países e a recuperação na OPEP+, mesmo que a aliança se mantenha abaixo dos seus níveis de produção habituais.

O atual pacto de produção da OPEP+ prevê aumentar o seu fornecimento em 400.000 barris por mês até setembro de 2022, e o relatório da organização divulgado na quarta-feira dá a entender que, por agora, se manterá fiel a esse compromisso.

Com estes números, a AIE estima esta quinta-feira que a produção global de petróleo atingirá níveis de antes da pandemia durante a primeira metade de 2022, salvo imprevistos.

O documento da agência refere que o aumento da produção da OPEP+ “não alterou as expectativas do mercado, pelo que as previsões atuais de oferta e procura implicarão uma redução a das reservas a curto prazo, pelo menos até ao final do ano”.

Isto significará “um tónico forte para os preços, que, por sua vez, irá apertar ainda mais o mercado petrolífero”, acrescenta.

A tensão no fornecimento do setor petrolífero tem sido agravada por problemas no setor da refinação em dois grandes consumidores, China e Índia.

O relatório adverte que os preços elevados da energia, juntamente com os problemas nas cadeias globais de abastecimento, já estão a causar uma revisão em baixa das previsões de crescimento global (5,9% este ano e 4,7% em 2022).

Face a esta situação, a AIE aconselha um aumento do investimento em energias renováveis, “mas isto tem de acontecer rapidamente ou os mercados globais de energia enfrentarão um caminho complicado no futuro”.

LER MAIS

INTERNACIONAL

FACEBOOK EXPANDE POLÍTICAS CONTRA ASSÉDIO DE FIGURAS PÚBLICAS

A Facebook informou na quarta-feira que vai expandir as políticas sobre assédio para remover conteúdo negativo, na sua decisão mais recente depois de uma denunciante a ter criticado no Congresso por não fazer o suficiente a este propósito.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A Facebook informou na quarta-feira que vai expandir as políticas sobre assédio para remover conteúdo negativo, na sua decisão mais recente depois de uma denunciante a ter criticado no Congresso por não fazer o suficiente a este propósito.

Sob a nova e mais detalhada política sobre assédio, a Facebook vai impedir conteúdos que degradem ou sexualizem celebridades, políticos eleitos e outras figuras ​​​​​​​na esfera pública.

Outra alteração vai aumentar a proteção contra assédio de dissidentes, jornalistas e ativistas de direitos humanos em todo o mundo. Em muitos Estados, o assédio através das redes sociais tem sido usado para procurar silenciar jornalistas e ativistas.

Por fim, a empresa baseada em Menlo Park, no Estado da Califórnia, anunciou que vai banir todo o assédio coordenado, no qual um grupo de indivíduos trabalham em conjunto para assediar alguém.

“Não vamos autorizar assédios e ataques nas nossas plataformas, mas quando isso acontecer, vamos agir”, escreveu, em mensagem colocada em blogue da Facebook, o diretor de segurança global da empresa, Antigone Davis.

As alterações acontecem por entre críticas crescentes ao conglomerado das redes sociais, por causa da sua gestão da presença de discurso de ódio, difusão de textos enganosos e com mentiras e conteúdos negativos.

As preocupações com o assédio vão desde os adolescentes a atacarem-se mutuamente no Instagram aos ataques coordenados de jornalistas e dissidentes por grupos ligados a regimes autoritários.

Na semana passada, uma antiga cientista de dados da Facebook, Frances Haugen, denunciou no Congresso que a empresa tinha feito pouco para corresponder às suas responsabilidades quanto à difusão de conteúdo prejudiciais e, com muita frequência, optou pelos seus lucros em detrimento dos interesses dos seus utilizadores.

Dias depois, a companhia anunciou que iria introduzir novas possibilidades concebidas para proteger crianças, incluindo uma que os encoraja a deixar de utilizar a rede social durante algum tempo.

LER MAIS

INTERNACIONAL

COVID-19: CERCA DE METADE DOS RECUPERADOS APRESENTAM SINTOMAS DE ‘COVID LONGA’

Cerca de metade dos mais de 236 milhões de pessoas que foram infetadas em todo o mundo pelo coronavírus SARS-CoV-2 apresentarão sintomas persistentes pós-covid seis meses depois a infeção, sugere um estudo hoje divulgado.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Cerca de metade dos mais de 236 milhões de pessoas que foram infetadas em todo o mundo pelo coronavírus SARS-CoV-2 apresentarão sintomas persistentes pós-covid seis meses depois a infeção, sugere um estudo hoje divulgado.

Segundo os investigadores da universidade norte-americana Penn State College of Medicine, estes resultados recomendam que os governos, as organizações e os profissionais de saúde pública se prepararem para o grande número de recuperados de covid-19 que “precisarão de cuidados para uma variedade de sintomas psicológicos e físicos”.

Muitos doentes que tiveram covid-19 apresentam sintomas como cansaço, dificuldade em respirar, dor no peito, dores nas articulações e perda do paladar ou do olfato que perduram mesmo após a recuperação da doença, uma condição conhecida por “covid longa”.

O estudo agora divulgado analisou dados de vários países sobre pessoas não vacinadas e que recuperaram da doença, concluindo que adultos e crianças “podem ficar sujeitos a vários problemas de saúde por seis meses ou mais após a recuperação da covid-19”, adianta a instituição em comunicado.

Os especialistas efetuaram uma revisão sistemática de 57 relatórios que incluíram dados de 250.351 adultos não vacinados e de crianças com diagnóstico de covid-19 de dezembro de 2019 a março de 2021.

Deste grupo de pessoas, com uma idade média de 54 anos, 79% foram hospitalizadas e eram residentes em países de elevado rendimento, tendo sido avaliadas durante três intervalos de tempo – um mês (curto prazo), dois a cinco meses (intermédio) e seis ou mais meses (longo prazo).

De acordo com os resultados, no geral, uma em cada duas pessoas apresentou manifestações de “covid longa” a longo prazo.

Segundo o estudo, mais da metade dos doentes relataram perda de peso, fadiga, febre ou dor, cerca de um em cada cinco sofreu uma diminuição da mobilidade e quase um em cada quatro teve dificuldade de concentração.

Entre outros sintomas recorrentes como dor no peito e palpitações, seis em cada dez recuperados apresentaram anormalidades em exames de imagiologia ao tórax e mais de um quarto relatou dificuldade em respirar.

“Essas descobertas confirmam o que muitos profissionais de saúde e sobreviventes da covid-19 têm afirmado, que os efeitos adversos podem perdurar”, salientou o investigador Vernon Chinchilli, presidente do Departamento de Ciências da Saúde Pública norte-americano.

“Este estudo não foi desenhado para confirmar a covid-19 como a única causa desses sintomas. É plausível que os sintomas relatados pelos doentes em alguns dos estudos analisados se devam a outras causas”, admitiu Paddy Ssentongo, professor assistente do Penn State Center for Neural Engineering.

A covid-19 provocou pelo menos 4.861.478 mortes em todo o mundo, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.065 pessoas e foram contabilizados 1.077.186 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

LER MAIS

MAIS LIDAS