Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

ESFORÇOS DO FACEBOOK PARA REMOVER CONTEÚDO ANTIVACINAÇÃO FALHARAM

Os esforços da rede social Facebook para eliminar conteúdos antivacinação da sua plataforma, durante os piores meses da pandemia de covid-19, não serviram para reduzir a exposição dos seus utilizadores a este tipo de publicações, refere um estudo.

Online há

em

Os esforços da rede social Facebook para eliminar conteúdos antivacinação da sua plataforma, durante os piores meses da pandemia de covid-19, não serviram para reduzir a exposição dos seus utilizadores a este tipo de publicações, refere um estudo.

Investigadores da Universidade George Washington, em Washington D.C., descarregaram dados públicos da plataforma de diferentes datas, quer antes do início da política de eliminação de informações falsas sobre vacinas, em dezembro de 2020, quer depois.

Os autores do estudo, publicado esta sexta-feira na revista Science Advances, constataram que o nível de interação do utilizador com este tipo de publicação não só não diminuiu como em alguns casos aumentou.

Em comunicado, um dos investigadores, Lorien Abroms, destacou que os seus resultados demonstram como é difícil eliminar a desinformação sobre questões de saúde nos espaços públicos.

A sua principal hipótese é que foi a própria arquitetura do Facebook, e especificamente os seus sistemas concebidos para promover a criação de grupos e partilhar informação, que provocou este aumento nas interações com conteúdos antivacinas, apesar dos esforços da plataforma para eliminá-los.

“Indivíduos que têm uma grande motivação para encontrar e partilhar conteúdo antivacinação estão simplesmente a utilizar o sistema da forma como foi concebido”, frisou David Broniatowski, principal autor do estudo, citado no comunicado.

A conclusão dos investigadores é que de nada adianta remover conteúdos ou alterar algoritmos se o objetivo principal das plataformas não for modificado, que é a conexão de diferentes pessoas que partilham interesses comuns, neste caso, o medo das vacinas.

Os investigadores salientaram que este é o primeiro estudo científico a analisar a eficácia dos esforços do Facebook para eliminar a desinformação da sua plataforma.

Segundo a universidade, as descobertas sugerem que as empresas de redes sociais podem mitigar estes efeitos nocivos colaborando entre si para criar “códigos de construção” para as suas aplicações, informados pela ciência, da mesma forma que os arquitetos precisam de conhecimento para garantir a segurança dos seus edifícios, através da incorporação de ventilação, saídas de emergência e outras medidas.

INTERNACIONAL

KAMALA HARRIS ESPERA NOMEAÇÃO DEMOCRATA CONTRA TRUMP

A vice-presidente norte-americana, Kamala Harris, afirmou hoje pretender “merecer e ganhar” a nomeação do Partido Democrata às eleições presidenciais e derrotar o republicano Donald Trump, após ter recebido o apoio do desistente Joe Biden.

Online há

em

A vice-presidente norte-americana, Kamala Harris, afirmou hoje pretender “merecer e ganhar” a nomeação do Partido Democrata às eleições presidenciais e derrotar o republicano Donald Trump, após ter recebido o apoio do desistente Joe Biden.

“É uma honra receber a recomendação do Presidente e a minha intenção é merecer e ganhar esta nomeação”, disse Harris, numa declaração em que qualifica a decisão de Joe Biden abandonar a corrida de um “ato abnegado e patriótico”.

A desistência de Joe Biden a uma reeleição no cargo, hoje anunciada, acontece um mês antes da convenção dos Democratas, na qual deverá ser escolhido novo candidato. A convenção está marcada de 19 a 22 de agosto, em Chicago, e o que deveria ser uma confirmação de Joe Biden na corrida à Casa Branca transformou-se num “concurso aberto”, como escreveu a Associated Press, no qual 4.700 delegados vão votar num candidato para defrontar o republicano Donald Trump nas presidenciais de novembro.

LER MAIS

INTERNACIONAL

EUA: JOE BIDEN DESISTE DA REELEIÇÃO

O Presidente norte-americano, Joe Biden, o mais velho na história do país, desistiu da corrida às eleições presidenciais de novembro, justificando que a sua saída era do interesse do Partido Democrata e do país.

Online há

em

O Presidente norte-americano, Joe Biden, o mais velho na história do país, desistiu da corrida às eleições presidenciais de novembro, justificando que a sua saída era do interesse do Partido Democrata e do país.

O líder da Casa Branca tem 81 anos e a sua condição de saúde foi questionada, nomeadamente após um debate desastroso com o candidato republicano Donald Trump, que levantou dúvidas sobre a aptidão do atual Presidente para o cargo, quando faltam apenas quatro meses para as eleições.

A decisão de abandonar a corrida surge após uma pressão crescente dos aliados democratas de Biden para que este se afaste após o debate de 27 de junho, no qual o Presidente de 81 anos deu algumas vezes respostas sem sentido e não conseguiu chamar a atenção para as muitas falsidades do antigo presidente.

Biden apoiou a vice-presidente Kamala Harris, de 59 anos, para enfrentar Trump e encorajou o seu partido a unir-se em torno dela.

Joe Biden, que em janeiro de 2021 se tornou o Presidente mais velho na história dos Estados Unidos, aos 78 anos e 61 dias, anunciou em abril a sua recandidatura ao cargo, depois de quatro anos de uma liderança algo conturbada, anunciando aos 80 anos que tinha intenção de se manter no cargo até 2029.

Eleito em 1972 senador do Delaware pelo Partido Democrata, Joseph Robinette Biden Jr. teve desde cedo um diálogo com comunidades afro-americanas.

O “assalto” à Casa Branca ocorreu em três ocasiões: 1988, quando fracassou devido a acusações de plágio, 2008, quando acabou como ‘vice’ de Barack Obama, e, finalmente, em 2020, acabando por vencer o Presidente incumbente, Donald Trump.

Biden foi eleito em 2021 ao lado de Kamala Harris, a primeira mulher negra e de ascendência sul-asiática na vice-presidência.

Uma compilação de sondagens publicada pela RealClearPolitics dá a a Trump 47,7% contra 44,7% do seu potencial adversário democrata, com base na média de uma dezena de sondagens concluídas entre 02 e 18 de julho, resultado que está em linha com a distância adquirida por Trump após o debate televisivo entre ambos no final do mês passado.

LER MAIS

MAIS LIDAS