Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

GUTERRES ALERTA PARA RISCOS E IMPACTOS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou hoje para os potenciais riscos e impactos da Inteligência Artificial (IA) na paz e segurança mundiais, apelando a salvaguardas urgentes contra uma tecnologia “sem precedentes”.

Online há

em

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou hoje para os potenciais riscos e impactos da Inteligência Artificial (IA) na paz e segurança mundiais, apelando a salvaguardas urgentes contra uma tecnologia “sem precedentes”.

“É claro que a IA vai ter um impacto em todos os aspetos das nossas vidas”, incluindo a IA generativa (termo geral para qualquer tipo de processo automatizado que utiliza algoritmos para produzir, manipular ou sintetizar dados), disse Guterres numa intervenção no Conselho de Segurança da ONU.

Foi a primeira vez que o Conselho de Segurança da ONU debateu a Inteligência Artificial, uma iniciativa promovida pelo Reino Unido que detém este mês a presidência rotativa do órgão.

“A IA generativa tem um imenso potencial para fazer o bem e o mal numa escala maciça”, acrescentou o líder da ONU.

Para Guterres, embora estas tecnologias possam ajudar a erradicar a pobreza, acabar com a fome, curar o cancro e estimular a ação climática, as aplicações militares e não militares da IA podem ter consequências graves para a paz e a segurança mundiais.

“Estamos aqui hoje porque a IA vai afetar o trabalho deste Conselho e pode reforçar ou perturbar a estabilidade estratégica global”, acrescentou, por sua vez, o chefe da diplomacia britânica, James Cleverly, que presidiu à reunião.

“Coloca um desafio aos nossos pressupostos sobre a defesa e a dissuasão e levanta questões morais sobre a responsabilidade de tomar decisões que causam a morte no campo de batalha”, acrescentou Cleverly, numa altura em que o Governo britânico está a organizar uma cimeira sobre esta questão no outono.

Neste contexto, Guterres apelou, em particular, à criação de um instrumento vinculativo até ao final de 2026 para proibir os “sistemas autónomos de armas letais” que funcionam sem supervisão humana.

Em termos de segurança, a IA está a ser cada vez mais utilizada, incluindo pela ONU, para identificar padrões de violência, monitorizar cessar-fogos ou reforçar a manutenção da paz, a mediação e os esforços humanitários, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas.

“[Mas] a utilização maliciosa de sistemas de IA para fins terroristas, criminosos ou estatais pode causar níveis terríveis de morte e destruição, traumas generalizados e danos psicológicos a uma escala inimaginável”, insistiu.

Guterres manifestou também preocupação com os riscos de “falha” dos sistemas que utilizam estas tecnologias, nomeadamente nos domínios das armas nucleares, das biotecnologias, das neurotecnologias e da robótica, e insistiu na ideia de que nunca seja retirado o controlo humano na questão das armas nucleares.

“São urgentemente necessários mecanismos de governação da IA”, frisou o secretário-geral da ONU, que vai confiar a um grupo de peritos a tarefa de propor “opções” neste domínio até ao final do ano.

Entretanto, Guterres reiterou o apoio à criação de uma “entidade das Nações Unidas” que ajude a maximizar os benefícios da IA e a reduzir os riscos, à semelhança da Agência Internacional da Energia Atómica (AIEA) ou do Grupo de Especialistas da ONU sobre o Clima (GIEC).

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

INTERNACIONAL

TRUMP PROMETE A ZELENSKY “ACABAR COM A GUERRA NA UCRÂNIA” SE FOR PRESIDENTE

O ex-presidente norte-americano Donald Trump disse na sexta-feira que falou ao telefone com o líder ucraniano, Volodymyr Zelensky, e que lhe prometeu “acabar com a guerra” entre Ucrânia e Rússia se regressar à Casa Branca.

Online há

em

O ex-presidente norte-americano Donald Trump disse na sexta-feira que falou ao telefone com o líder ucraniano, Volodymyr Zelensky, e que lhe prometeu “acabar com a guerra” entre Ucrânia e Rússia se regressar à Casa Branca.

Trump afirma frequentemente que seria capaz de colocar um termo ao conflito na Ucrânia, muito rapidamente, se regressar ao poder após as presidenciais de novembro, mas sem explicar como o faria.

Os seus frequentes elogios ao presidente russo, Vladimir Putin, bem como as suas críticas a outros países membros da NATO, causam preocupações entre os aliados ocidentais da Ucrânia.

Os Estados Unidos, sob a presidência de Joe Biden, são o maior doador de ajuda militar a Kiev e uma vitória de Donald Trump poderia colocar em risco qualquer ajuda e enfraquecer a posição ucraniana no campo de batalha.

Volodymyr Zelensky confirmou o telefonema, durante o qual felicitou o multimilionário pela sua investidura oficial como candidato republicado à presidência dos Estados Unidos.

“Frisei o apoio vital de ambos os partidos e de ambas as câmaras do Congresso norte-americano para proteger a liberdade e a independência da nossa nação. Acordámos com o presidente Trump discutir, numa reunião presencial, as medidas a tomar para uma paz justa e duradoura”, escreveu o presidente ucraniano no X.

Zelensky condenou ainda a tentativa “chocante” de assassinato que teve Donald Trump como alvo, no sábado, na Pensilvânia.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, lançada a 24 de fevereiro de 2022, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Os últimos meses foram marcados por ataques aéreos em grande escala da Rússia contra cidades e infraestruturas ucranianas, ao passo que as forças de Kiev têm visado alvos em território russo próximos da fronteira e na península da Crimeia, anexada em 2014.

LER MAIS

INTERNACIONAL

RYANAIR COM PERTURBAÇÕES NA OPERAÇÃO DEVIDO A FALHA DA MICROSOFT

A Ryanair anunciou hoje que está “a enfrentar perturbações na rede devido a uma interrupção global de informática de um terceiro”, após ter sido anunciada uma falha no sistema da Microsoft que está a causar problemas em inúmeras empresas.

Online há

em

A Ryanair anunciou hoje que está “a enfrentar perturbações na rede devido a uma interrupção global de informática de um terceiro”, após ter sido anunciada uma falha no sistema da Microsoft que está a causar problemas em inúmeras empresas.

“Aconselhamos todos os passageiros a chegarem ao aeroporto pelo menos três horas antes da hora prevista de partida”, acrescentou a companhia aérea irlandesa, nos seus canais oficiais.

A Ryanair disse ainda que quem vai viajar hoje e ainda não fez o ‘ckeck-in’ do voo, pode fazê-lo no aeroporto.

Já a Autoridade Britânica de Aviação Civil (CAA) avisou, nas redes sociais, que “uma falha nos sistemas informáticos pode levar a tempos de espera mais longos do que o normal nos aeroportos”.

Os anúncios surgem após a ‘gigante’ tecnológica Microsoft ter anunciado que estava a adotar “medidas de mitigação” depois de uma interrupção ter afetado várias empresas em diferentes países.

Também a gestora aeroportuária ANA, disse que são esperados constrangimentos nos aeroportos portugueses, já que há companhias aéreas e empresas de ‘handling’ (assistência em terra) afetadas pela falha global no sistema da Microsoft, pedindo aos passageiros que se informem sobre o estado dos seus voos.

LER MAIS

MAIS LIDAS