LIGUE-SE A NÓS

O QUE PROCURA ?

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

IDENTIFICADA REGIÃO CEREBRAL COM POTENCIAL DE ALTERAÇÃO PRECOCE POR ALZHEIMER

Uma região cerebral com potencial de alteração precoce por Alzheimer, implicada na perda de memória, foi identificada por uma equipa multidisciplinar de cientistas da Universidade de Coimbra (UC).

blank

Uma região cerebral com potencial de alteração precoce por Alzheimer, implicada na perda de memória, foi identificada por uma equipa multidisciplinar de cientistas da Universidade de Coimbra (UC).

“A descoberta pode ter implicações muito relevantes em termos de terapias futuras, dado que identifica, com clareza, um alvo cerebral de alteração precoce, implicado na perda de memória, que pode ser estudado diretamente e de forma focada em novos ensaios terapêuticos”, afirmou a UC, em nota enviada à agência Lusa.

Citado na nota, Miguel Castelo-Branco, investigador da Faculdade de Medicina (FMUC) e um dos coordenadores do estudo, explicou que a descoberta “abre caminho para o desenvolvimento e teste de terapêuticas direcionadas à redução da neuroinflamação na doença de Alzheimer”.

A zona cerebral identificada chama-se cíngulo posterior e a investigação demonstra, “em fases muito iniciais da doença de Alzheimer, alterações tripartidas únicas: inflamação neuronal, acumulação de amiloide e atividade neuronal aparentemente compensatória”.

“A região identificada é crítica, pois serve de pivô em processos de memória de curto e longo prazo que sabemos estarem crucialmente afetados na doença de Alzheimer”, frisou o investigador da FMUC.

A descoberta no cérebro humano foi demonstrada ao vivo, num estudo que incluiu a participação de doentes “em fases muito iniciais da doença de Alzheimer e pessoas saudáveis com as mesmas características sociodemográficas”.

Os cientistas utilizaram “um conjunto de técnicas avançadas de imagem funcional e cerebral”, concretamente um “PET duplo”, uma tomografia “que mede, no mesmo doente, neuroinflamação e deposição de amiloide” e a ressonância magnética funcional “para medir a atividade cerebral em tarefas de memória”.

Para além de Miguel Castelo-Branco e de Isabel Santana, do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e também coordenadora da investigação, a equipa de cientistas foi formada por Nádia Canário e Lília Jorge, primeiras autoras do estudo, e Ricardo Martins, investigadores do Centro de Imagem Biomédica e Investigação Translacional do Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde.

Quer comentar ?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

Uma investigadora da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (UC) lidera um projeto multidisciplinar que levou até ao espaço biossensores cuja...

REGIÕES

O hospital de Chaves é desde este mês de novembro uma unidade de referenciação para doentes suspeitos de acidente vascular cerebral (AVC), garantindo uma...

MAGAZINE

A Associação Portuguesa para o Estudo da Anemia apelou hoje à sensibilização de doentes e profissionais de saúde para a importância do diagnóstico precoce...

NACIONAL

Quase 80% dos portugueses com 65 anos ou mais e mais de metade dos profissionais de saúde em contacto direto com doentes já terão...

RÁDIO REGIONAL

blank


DESPORTO DIRETO


LINHA CANCRO

RÁDIO REGIONAL


EMISSÃO NACIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




EMISSÃO REGIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




WEBRÁDIOS TEMÁTICAS



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER