Ligue-se a nós

DESTAQUE

JUROS DOS NOVOS DEPÓSITOS A PRAZO REGISTA MAIOR AUMENTO MENSAL DE SEMPRE

A taxa de juro média dos novos depósitos de particulares registou em outubro o maior aumento mensal de que há registo, para 2,93%, enquanto o montante dos novos depósitos atingiu máximos desde março de 2012, segundo o BdP.

Online há

em

A taxa de juro média dos novos depósitos de particulares registou em outubro o maior aumento mensal de que há registo, para 2,93%, enquanto o montante dos novos depósitos atingiu máximos desde março de 2012, segundo o BdP.

De acordo com os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), o juro médio dos novos depósitos a prazo de particulares subiu de 2,29% em setembro para 2,93% em outubro, registando o maior aumento (0,64 pontos percentuais) desde o início da série, em janeiro de 2003, e fixando-se num valor que não era atingido desde agosto de 2012.

Já o montante de novas operações de depósitos a prazo de particulares atingiu em outubro o maior valor desde março de 2012, totalizando 10.690 milhões de euros, mais 2.836 milhões do que no mês anterior.

“Com o aumento da taxa de juro média dos novos depósitos observado em outubro, Portugal subiu para a 14.ª posição entre os países da área do euro, mantendo-se, no entanto, abaixo da média para este conjunto de países (3,27%)”, nota o banco central.

A desagregação por prazo mostra que, em outubro, a remuneração média mais elevada se registou nos novos depósitos com prazo até um ano: 2,95% (2,31% em setembro).

Advertisement

Já os novos depósitos com prazo de um a dois anos apresentaram uma remuneração média de 2,15% (2,03% em setembro), enquanto os novos depósitos com prazo acima de dois anos foram remunerados, em média, a 2,13% (2,10% em setembro).

No que respeita às empresas, em outubro, a remuneração média dos novos depósitos a prazo foi de 3,31%, o que corresponde a um aumento de 0,23 pontos percentuais relativamente ao mês anterior.

As novas operações de depósitos somaram 6.887 milhões de euros, menos 380 milhões do que em setembro, 99,6% dos quais foram aplicados em depósitos a prazo até um ano.

No que se refere às novas operações de empréstimos aos particulares, totalizaram 2.532 milhões de euros em outubro, mais 24 milhões do que em setembro, com aumentos nas finalidades de habitação, de consumo e de outros fins de sete milhões, 16 milhões e um milhão de euros, respetivamente.

A taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação “diminuiu ligeiramente, de 4,25% em setembro para 4,23% em outubro”, e a taxa de juro média dos novos empréstimos para outros fins também diminuiu, de 5,35% para 5,33%.

Advertisement

Pelo contrário, a taxa de juro média dos novos empréstimos para consumo subiu, de 8,97% para 9,18%.

Quanto aos novos empréstimos concedidos pelos bancos às empresas, somaram 1.550 milhões de euros em outubro, menos 59 milhões do que no mês anterior.

Segundo o BdP, esta queda foi justificada pela diminuição de novos empréstimos acima de um milhão de euros, no valor de 77 milhões de euros (de 713 milhões para 636 milhões). Em sentido contrário, os novos empréstimos até um milhão de euros aumentaram 18 milhões de euros, fixando-se em 914 milhões de euros.

A taxa de juro média dos novos empréstimos às empresas aumentou de 5,81% em setembro para 5,89% em outubro, com subidas quer nos empréstimos até um milhão de euros (de 5,97% para 6,07%), quer nos empréstimos acima desse valor (de 5,62% para 5,63%).

Advertisement
Advertisement
DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

DESTAQUE

GUERRA: DEPOIS NAVALNY UM PILOTO RUSSO “DESERTOR” ENCONTRADO MORTO EM ESPANHA

Um piloto russo que desertou em agosto passado para se entregar ao Exército ucraniano com o helicóptero que pilotava foi encontrado morto em Espanha, informou hoje o jornal ucraniano Kyiv Post.

Online há

em

Um piloto russo que desertou em agosto passado para se entregar ao Exército ucraniano com o helicóptero que pilotava foi encontrado morto em Espanha, informou hoje o jornal ucraniano Kyiv Post.

A morte do piloto foi confirmada pelo representante dos serviços secretos militares ucranianos (GUR), Andri Yusov, que indicou não se poder “confirmar o motivo” da morte, e sem mencionar o local onde Maxim Kuzminov foi encontrado.

Fonte do GRU declarou ao Ukrainska Pravda, outro ‘media’ ucraniano, que o piloto foi morto a tiro.

Segundo a mesma fonte, perto da sua residência foi encontrado um automóvel calcinado que poderá ter sido utilizado pelos perpetradores.

Segundo a fonte do GUR, Kuzminov optou por viver em Espanha em vez de se fixar na Ucrânia.

Advertisement

A deserção do russo foi divulgada em setembro passado quando o GUR ucraniano publicou imagens onde o piloto, então com 28 anos, indicava como foi contactado pelos serviços secretos militares inimigos, que lhe ofereceram a deserção para o lado ucraniano a troco de dinheiro e proteção.

O vídeo demonstra Kuzminov a aterrar ao comando do seu helicóptero Mi-8 numa base militar da região de Kharkiv, leste da Ucrânia e junto à fronteira com a Rússia.

Na ocasião, e segundo referiu Kirilo Budanov, então chefe do GUR ucraniano, Kuzminov cruzou a fronteira voando a baixa altitude, para escapar à deteção de radares, juntamente com outros membros da tripulação que não sabiam dos planos do piloto, e que foram mortos quando tentaram fugir após a aterragem.

Nas suas declarações, Budanov também assegurou que a inteligência militar ucraniana conseguiu retirar da Rússia a família do piloto desertor.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, desencadeada em 24 de fevereiro de 2022, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Advertisement

Os aliados ocidentais da Ucrânia têm fornecido armas a Kiev e aprovado sucessivos pacotes de sanções contra interesses russos para tentar diminuir a capacidade de Moscovo de financiar o esforço de guerra.

LER MAIS

DESTAQUE

ENERGIA RENOVÁVEL AUMENTOU 50% ENTRE 2022 E 2023, MAS AINDA É INSUFICIENTE

A capacidade elétrica renovável mundial aumentou 50% entre 2022 e 2023, segundo a Agência Internacional de Energia, que alerta que com as políticas atuais a capacidade de produção não vai triplicar até 2030, objetivo definido na COP28.

Online há

em

A capacidade elétrica renovável mundial aumentou 50% entre 2022 e 2023, segundo a Agência Internacional de Energia, que alerta que com as políticas atuais a capacidade de produção não vai triplicar até 2030, objetivo definido na COP28.

De acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), que divulga hoje o relatório Renováveis 2023, no ano passado entraram em funcionamento cerca de 507 gigawatts (GW), mais 50% do que em 2022, sendo que três quartos destas novas instalações foram de energia fotovoltaica.

A China foi, mais uma vez, o motor deste crescimento, com mais 66% de turbinas eólicas do que há um ano, por exemplo, mas a Europa, os Estados Unidos e o Brasil também atingiram níveis sem precedentes.

Nos próximos cinco anos, a AIE prevê o “crescimento mais forte” registado nos últimos 30 anos.

“A capacidade de produção de eletricidade renovável nunca se expandiu tão rapidamente em 30 anos, o que nos dá uma hipótese real de atingir o objetivo que os governos estabeleceram na COP28 de triplicar a capacidade global até 2030”, sublinha a AIE.

Advertisement

No entanto, este ritmo ainda não é suficiente, acrescenta a Agência, que aponta em particular para a necessidade de financiamento para os países emergentes e em desenvolvimento.

“Nas atuais condições de mercado e políticas, a capacidade global aumentaria 2,5 vezes até 2030. Isto ainda não é suficiente para cumprir o objetivo da COP28 de triplicar a capacidade, mas estamos a aproximar-nos e os governos têm as ferramentas necessárias para compensar a diferença”, resume Fatih Birol, diretor da AIE.

Nas atuais circunstâncias, seria possível chegar a 2028 com 7.300 GW de potencia instalada, não alcançando por pouco o mínimo de 11 mil GW definidos para 2030 como meta pelos 198 governos que participaram na COP28 há um mês.

Para além do contexto macroeconómico, para Birol “o desafio mais importante para a comunidade internacional é aumentar rapidamente o financiamento e a implantação das energias renováveis na maioria das economias emergentes e em desenvolvimento, muitas das quais estão a ficar para trás na nova economia energética”.

Os membros do G20, que reúne as 20 maiores economias do mundo, incluindo os principais países desenvolvidos, mas também as principais potências emergentes (como a China e a Índia), são atualmente responsáveis por quase 90% das energias renováveis instaladas, quando representam dois terços da população mundial.

Advertisement

Reforçando a aplicação das políticas atuais, o G20 poderia triplicar as suas capacidades em matéria de energias renováveis até 2030, o que contribuiria para o objetivo global, mas teria de ser complementado por uma aceleração noutros países, especialmente nos países em desenvolvimento, que não têm objetivos em matéria de energias renováveis nem políticas de apoio.

Nos próximos cinco anos, a energia solar fotovoltaica e a energia eólica em terra continuarão a representar a maior parte das novas instalações (96% em termos de capacidade), porque estas tecnologias têm custos de produção mais baixos do que os combustíveis fósseis e outras alternativas e porque existem políticas públicas de apoio em muitos países.

Por outro lado, os autores do estudo estimam que, até 2025, as energias renováveis ultrapassarão as centrais a carvão na produção mundial de eletricidade e que, a partir de 2025, só a energia eólica ultrapassará a nuclear, tal como a energia solar fotovoltaica a partir de 2026, que estará à frente da eólica em 2028.

Segundo a AIE, a China representará sozinha quase 60% das novas energias renováveis a nível mundial até 2028, apesar do desaparecimento dos subsídios em 2020 e 2021. O gigante asiático produzirá então quase metade da eletricidade renovável do mundo.

Advertisement
LER MAIS

MAIS LIDAS