LIGUE-SE A NÓS

O QUE PROCURA ?

REGIÕES

SANTA COMBA DÃO: EDIFÍCIO ROMANO REVELADO EM SÍTIO ARQUEOLÓGICO

Um edifício romano está a ser revelado no sítio arqueológico do Passal, no Couto do Mosteiro, em Santa Comba Dão, sendo já possível identificar aquela que terá sido a cozinha da casa, anunciou esta sexta-feira a autarquia.

blank

Um edifício romano está a ser revelado no sítio arqueológico do Passal, no Couto do Mosteiro, em Santa Comba Dão, sendo já possível identificar aquela que terá sido a cozinha da casa, anunciou esta sexta-feira a autarquia.

Numa divisão “perfeitamente delimitada” é possível ver “o piso de circulação, a lareira e vários recipientes de cerâmica de serviço de mesa”, o que impressionou o diretor das escavações, Pedro Matos.

“Algumas das peças vieram de fora da província da Lusitânia, nomeadamente fragmentos de terra sigillata hispânica, proveniente do Vale do Ebro”, explicou o arqueólogo do Centro de Estudos de Arqueologia Artes e Ciências do Património da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Entre os fragmentos encontrados, “há ainda cerâmica de origem regional, possivelmente de Conímbriga – um género de peças conhecida como cerâmica cinzenta fina”, acrescentou Pedro Matos, que, com um grupo de cinco estudantes de mestrado da Universidade de Coimbra, está a desenvolver a segunda escavação deste ano no Couto do Mosteiro.

No seu entender, esta diversidade permite avançar que, à semelhança do Patarinho, em Óvoa, o sítio do Passal estava inserido num circuito comercial de longa distância. O edifício romano terá sido construído no século I e abandonado no século III ou IV (época do Alto Império Romano).

Segundo a autarquia, “cerca de sete séculos depois, o local conhece novamente ocupação humana, durante a Alta Idade Média”, encontrando-se, num patamar superior ao edifício romano, “as ruínas das fundações de um edifício contemporâneo ao primeiro registo histórico da igreja de Santa Columba (974 da era cristã)”.

O vereador da Cultura, Agostinho Marques, realçou o facto de, neste sítio arqueológico, ser “possível viajar com o olhar, ao longo de praticamente mil anos de ocupação humana deste território”.

Na sua opinião, o trabalho que a equipa de arqueólogos tem desenvolvido no concelho nos últimos anos é fundamental: “cada nova descoberta revela mais um pouco das nossas origens e da nossa história”.

Quer comentar ?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

REGIÕES

O aumento dos preços e a atual condição económica das pessoas podem ser algumas das justificações para o aumento do abandono animal, consideraram associações...

REGIÕES

O presidente da Câmara de Freixo de Espada à Cinta reclamou esta segunda-feira a construção da barragem da Ferrarias, um empreendimento considerado de extrema...

REGIÕES

Um agente da PSP foi condenado a uma pena única de seis anos de prisão pela prática de dois crimes de incêndios, explosões e...

REGIÕES

O hospital de Chaves é desde este mês de novembro uma unidade de referenciação para doentes suspeitos de acidente vascular cerebral (AVC), garantindo uma...

RÁDIO REGIONAL

blank


DESPORTO DIRETO


LINHA CANCRO

RÁDIO REGIONAL


EMISSÃO NACIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




EMISSÃO REGIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




WEBRÁDIOS TEMÁTICAS



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER