Ligue-se a nós

REGIÕES

PORTO: RUI MOREIRA QUER APOIO DO ESTADO PARA CAPTAR COMPANHIAS AÉREAS

O presidente da Câmara do Porto defendeu hoje, em Assembleia Municipal, que o Estado deve atribuir um subsídio semelhante ao que é dado às Regiões Autónomas para captar companhias aéreas para o aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

O presidente da Câmara do Porto defendeu hoje, em Assembleia Municipal, que o Estado deve atribuir um subsídio semelhante ao que é dado às Regiões Autónomas para captar companhias aéreas para o aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Depois de a presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, ter afirmado, em entrevista ao Público, que o Porto “nunca será” um segundo ‘hub’ para a companhia aérea, Rui Moreira reclamou uma compensação financeira, lembrando que o Estado investe “anualmente 100 milhões de euros a subsidiar voos para os Açores e para a Madeira”.

“Seria relevante que o Porto – não posso falar por Faro – reclamasse, pelo menos, um montante equivalente, até porque a nossa Área Metropolitana é muito maior, não tem é o problema da insularidade”, advogou.

O autarca referiu que já deu “os parabéns ao senhor ministro Pedro Nuno Santos por conseguir aprovar o plano de reestruturação da TAP” e citou declarações do ministro das Infraestruturas e Habitação em que, disse Rui Moreira, ficou “absolutamente claro” que “a importância da TAP é para o ‘hub’ de Lisboa, que a manutenção da TAP se deve ao ‘hub’ de Lisboa, e que é assim que esta TAP, ou ‘Tapinha’, como quiserem, vai funcionar”.

Numa altura de crise em que várias companhias abandonaram a sua operação no aeroporto Francisco Sá Carneiro, importa captar novas rotas, realçou o presidente da Câmara: “Se a TAP não o quer fazer, ou não o vai fazer – é um pouco irrelevante fazer a análise psicológica desta questão, (…) acho que a TAP é a última companhia colonial a existir em Portugal, mas não é isso que conta – temos de encontrar outros”, disse.

E prosseguiu, frisando que, “para encontrar outros, é preciso uma migalha daquilo que é gasto para manter o ‘hub’ de Lisboa”.

“Não queremos ‘hub’ nenhum, queremos ter um aeroporto Francisco Sá Carneiro que seja servido, não apenas para turistas, mas para toda a atividade económica que precisamos de atrair”, atirou.

Rui Moreira respondia a um repto lançado pelo deputado municipal Raul Almeida, do movimento que apoia o independente, que mencionou o facto de o Porto e o Norte ter sido o destino turístico mais procurado do país e mostrou a sua preocupação em relação a “toda uma economia que gira em volta disto, toda uma economia que está ancorada em volta do aeroporto Francisco Sá Carneiro, em que o Porto é uma centralidade”.

“Mas isto não é aeroporto do Porto, é o aeroporto que, estando no Porto, serve todo o Norte do país e dá ao Porto uma inequívoca capitalidade em termos do Noroeste peninsular”, lembrou.

Das restantes bancadas municipais, apenas a CDU se debruçou sobre o tema, já no fim da discussão.

A deputada Joana Rodrigues concordou que “a gestão da TAP deve assegurar a cobertura nacional, e não apenas do aeroporto de Lisboa”, e que “Portugal necessita de uma TAP cuja orientação e dimensão tem de dar uma efetiva resposta à coesão territorial e à ligação às Regiões Autónomas e às comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo”.

Considerou, por outro lado, que “cabe ao país, e não à União Europeia, decidir sobre a viabilidade e o futuro das suas empresas”.

Da bancada comunista veio também a rejeição do “sentimento que por vezes existe de que mais vale se calhar desistir da empresa”.

“Isso acaba por ser um camuflar um problema que existe e transferir meios e recursos diretamente para os privados. Isso a nosso ver não é defender o Porto, nem a descentralização, é contribuir para lucros dos privados, concentração em companhias estrangeiras e maior dependência do país”, defendeu.

REGIÕES

OURIQUE: ACIDENTE ENTRE CAÇADORES PROVOCA UM FERIDO GRAVE

Um caçador, de 66 anos, sofreu hoje ferimentos graves ao ser atingido pelo disparo alegadamente acidental da arma de caça de outro homem, no concelho de Ourique (Beja), revelaram a Proteção Civil e a GNR.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Um caçador, de 66 anos, sofreu hoje ferimentos graves ao ser atingido pelo disparo alegadamente acidental da arma de caça de outro homem, no concelho de Ourique (Beja), revelaram a Proteção Civil e a GNR.

O alerta para o suposto acidente de caça foi dado aos bombeiros às 13:21 e o homem foi socorrido na rotunda da localidade de Santa Luzia, explicou à agência Lusa o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja.

Segundo a mesma fonte, o homem sofreu ferimentos graves no corpo provocados pelo disparo e foi transportado pelos bombeiros para o hospital de Beja.

Contactada pela Lusa, fonte do Comando Territorial de Beja da GNR acrescentou que o ferido se “encontra em observação” na unidade hospitalar e que, por se tratar de um acidente com arma, a Polícia Judiciária foi informada e ativada para o local.

A vítima, segundo os relatos feitos à GNR, foi atingida por um tiro, que fez ricochete, proveniente da caçadeira de outro homem.

Esse homem “terá efetuado um disparo, mas este bateu numas pedras, fez ricochete e atingiu o outro caçador”, contou a mesma fonte da Guarda.

Para esta ocorrência, foram mobilizados sete operacionais, apoiados por três viaturas, dos bombeiros, GNR e Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

LER MAIS

REGIÕES

PORTO: INCÊNDIO NA BAIXA COMEÇOU NUMA ‘LAREIRA’

Um incêndio num prédio na Baixa do Porto deflagrou hoje à tarde e está a ser combatido por 13 bombeiros Sapadores do Porto, mas ainda não se sabe se há feridos, disse à Lusa fonte oficial.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Um incêndio num prédio na Baixa do Porto deflagrou hoje à tarde e está a ser combatido por 13 bombeiros Sapadores do Porto, mas ainda não se sabe se há feridos, disse à Lusa fonte oficial.

O alerta para o incêndio que deflagrou na zona de Cedofeita, em plena Baixa da cidade do Porto, foi dado às 13h11 e terá começado numa “lareira”, disse fonte dos Sapadores dos Bombeiros do Porto.

O incêndio começou “entre pisos de um prédio localizado na Rua General Silveira, número 23”.

No local estão 13 bombeiros Sapadores dos Porto, a combater as chamas, e elementos da PSP, acrescentou a mesma fonte.

As autoridades desconhecem até ao momento se existem feridos.

LER MAIS

REGIÕES

LISBOA AVANÇA COM PROGRAMA PARA AVALIAR E PROMOVER RESISTÊNCIA A SISMOS

A Câmara de Lisboa pretende avançar este ano com um programa de avaliação e promoção da resistência sísmica de edifícios e infraestruturas da cidade, disse hoje a vereadora Joana Almeida.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A Câmara de Lisboa pretende avançar este ano com um programa de avaliação e promoção da resistência sísmica de edifícios e infraestruturas da cidade, disse hoje a vereadora Joana Almeida.

A vereadora do Urbanismo e Reabilitação Urbana anunciou também, numa audição na Assembleia Municipal de Lisboa (AML), uma reorganização dos serviços municipais e das plataformas digitais da autarquia para dar “mais clareza e agilidade” aos processos de licenciamento de obras.

Joana Almeida (independente eleita pela coligação “Novos Tempos” PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança) foi hoje ouvida nas 1.ª e 3.ª comissões da AML sobre a proposta de orçamento do executivo camarário para 2022 na área do Urbanismo e revelou que a pasta que tutela tem uma dotação de 2,9 milhões de euros para este ano, estando cerca de 285 mil euros destinados à implementação do ReSist – Programa Municipal da Promoção da Resiliência do Parque Edificado.

Ao abrigo do ReSist, a câmara pretende fazer uma “avaliação expedita da resistência sísmica” dos edifícios e infraestruturas da cidade que arrancará pela zona da Baixa e pela das Avenidas Novas, segundo revelou a vereadora.

Dentro deste programa, a Câmara Municipal de Lisboa (CML) prevê também desenvolver uma “metodologia de avaliação da vulnerabilidade sísmica” de “edifícios singulares”, fazer a georreferenciação de infraestruturas, avaliar a rede de saneamento e criar uma estratégia de comunicação e um programa de sensibilização das populações.

Em relação ao licenciamento de obras, a vereadora disse aos deputados que vão “já começar a avançar” algumas “medidas concretas” para tornar os processos mais ágeis e transparentes, como a reorganização dos serviços de urbanismo e a criação de uma comissão entre departamentos municipais para a emissão dos pareceres.

Juntam-se a clarificação de normas, a elaboração de um manual de procedimentos, novas funcionalidades nas plataformas digitais que permitam a quem faz um pedido de licenciamento consultar o processo e saber em que ponto está e, por fim, a revisão do Regulamento Municipal de Urbanização e Edificação de Lisboa (RMUEL).

Ainda dentro da pasta que tutela na câmara, Joana Almeida explicou que a autarquia, liderada desde outubro passado por Carlos Moedas (PSD), aposta no desenvolvimento de um “urbanismo de proximidade”, com projetos para o Vale de Alcântara, Chelas, Almirante Reis ou Infante Santo, além de pretender dar continuidade ao programa “uma praça em cada bairro”.

Sobre estes projetos, em resposta a pedidos de esclarecimento dos deputados, que se focaram essencialmente no caso da avenida Almirante Reis, a vereadora disse que serão iniciados processos de “participação pública”, com a auscultação das populações, a que se seguirá a definição de uma estratégia e de um programa de intervenção.

A vereadora revelou também que este ano avançará a limpeza dos terrenos onde decorrerá a Jornada Mundial da Juventude de 2023, junto ao Parque das Nações, e que a seguir será ali criado um “grande parque urbano público”.

Questionada sobre os alojamentos turísticos, a vereadora concordou na necessidade de rever o regulamento municipal do alojamento local, mas considerou ser necessário esperar pelos dados definitivos do censo da população feito em 2021, para haver uma base de informação atualizada, e sublinhou por diversas vezes que o objetivo deve ser sempre “a diversidade” e o equilíbrio entre residentes e turistas em cada bairro e que “o princípio das quotas estará presente”.

LER MAIS

REGIÕES

VILA REAL: SUSPEITOS DE RAPTO FICAM OBRIGADOS A APRESENTAR-SE SEMANALMENTE

O Tribunal de Vila Real decretou hoje apresentações periódicas semanais para os cinco detidos pela suspeita de tentar raptar uma mulher, que ficam também proibidos de contactar entre si, disse fonte judicial.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

O Tribunal de Vila Real decretou hoje apresentações periódicas semanais para os cinco detidos pela suspeita de tentar raptar uma mulher, que ficam também proibidos de contactar entre si, disse fonte judicial.

Os suspeitos são três homens e duas mulheres, com idades compreendidas entre os 39 e os 49 anos, que foram detidos pela Polícia Judiciária de Vila Real pela “presumível autoria do crime de rapto, na forma tentada”.

Depois de ouvidos esta tarde no Tribunal de Vila Real, foram decretadas como medidas de coação a apresentação periódica semanal, a obrigação de proibição de contacto e, três deles que residem no Porto, ficam proibidos de se deslocar à comarca de Vila Real.

Os factos, segundo disse hoje a PJ, em comunicado, ocorreram ao final da tarde de quarta-feira, quando três dos arguidos, dois homens e uma mulher, “no âmbito de um plano previamente estabelecido com os outros dois arguidos, um homem e uma mulher, vigiaram e perseguiram a vítima, uma mulher de 39 anos, ameaçando-a e cercando-a no interior de um estabelecimento comercial em Vila Real”.

A polícia disse ainda que os suspeitos visariam “a sua captura e transporte para uma habitação nas imediações da cidade, para a submeter a extorsão de uma elevada quantia em dinheiro”.

“A vítima conseguiu, todavia, encetar fuga refugiando-se no interior de um veículo, na zona da carga, onde permaneceu até à chegada da Polícia Judiciária que, entretanto, procedeu à interceção, identificação e detenção dos arguidos”, referiu o comunicado.

Dois dos detidos são empresários e os restantes não possuem ocupação laboral. Um deles possui antecedentes criminais, tendo já cumprido pena de prisão.

LER MAIS

MAIS LIDAS