Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

RÚSSIA VOLTA ‘AMEAÇAR’ A NATO COM ‘GUERRA NUCLEAR’

A Rússia alertou hoje que a ajuda militar ocidental à Ucrânia e os exercícios da NATO perto das suas fronteiras aumentam a probabilidade de um conflito direto e o risco de uma guerra nuclear total.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A Rússia alertou hoje que a ajuda militar ocidental à Ucrânia e os exercícios da NATO perto das suas fronteiras aumentam a probabilidade de um conflito direto e o risco de uma guerra nuclear total.

O alerta, feito pelo vice-presidente do Conselho de Segurança russo, Dmitri Medvedev, surgiu no dia em que o Presidente e a primeira-ministra finlandeses divulgaram o seu apoio à adesão da Finlândia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

Medvedev não menciona a possibilidade de a Finlândia e a Suécia poderem aderir à NATO, mas acusa os países da Aliança Atlântica de estarem a aumentar o risco de uma guerra total com o seu apoio militar à Ucrânia na guerra com a Rússia.

“Os países da NATO a fornecer armas à Ucrânia, a treinar as suas tropas para utilizar equipamento ocidental, a enviar mercenários e os exercícios por países da Aliança perto das nossas fronteiras aumentam a probabilidade de um conflito direto e aberto entre a NATO e a Rússia, em vez da ‘guerra por procuração’ que estão a travar”, escreveu Medvedev na rede social Telegram.

No texto, citado pela agências russa TASS e espanhola EFE, Medvedev avisa que “um tal conflito tem sempre o risco de se transformar numa verdadeira guerra nuclear”.

“Este será um cenário catastrófico para todos”, disse o ex-Presidente (2008-2012) e ex-primeiro-ministro da Rússia (2012-2020).

Medvedev, um aliado do líder russo, Vladimir Putin, acusou ainda o Ocidente de cinismo e de colocar no “topo da agenda” internacional a “tese de que a Rússia assusta o mundo com um conflito nuclear”.

Por isso, referiu, o Ocidente não deve enganar-se a si próprio ou os outros, mas “pensar nas possíveis consequências dos seus atos”.

Medvedev reafirmou a acusação ao Ocidente de travar uma guerra por procuração contra a Rússia na Ucrânia, como já tinha feito quando criticou os Estados Unidos de estarem a fornecer ajuda militar “sem precedentes” a Kiev.

Além de sanções económicas sem precedentes contra a Rússia, mais de 25 países, incluindo Portugal, já anunciaram o envio de material militar para a Ucrânia, num esforço conjunto para ajudar Kiev a resistir e a fazer recuar a invasão russa, iniciada em 24 de fevereiro.

O objetivo de travar a expansão da NATO a leste foi um dos argumentos usados pela Rússia para entrar em guerra com a Ucrânia.

Antes da invasão, a Rússia exigiu a proibição da entrada da Ucrânia na NATO e o recuo de tropas e armas da Aliança Atlântica para as posições de 1997, antes do alargamento a leste.

A guerra na Ucrânia levou, no entanto, a Finlândia e a Suécia a ponderar o abandono da sua neutralidade histórica para aderir formalmente à NATO.

A Rússia já ameaçou que tal decisão pode vir a ter “efeitos políticos e militares” para a Suécia e para a Finlândia.

Uma adesão da Finlândia à NATO constitui a maior alteração na política de defesa e de segurança do país nórdico desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando travou duas guerras contra a União Soviética.

Durante o período da Guerra Fria, a Finlândia ficou longe da NATO para evitar provocar a União Soviética, optando por permanecer como país neutral, mantendo boas relações com Moscovo e também com Washington.

Nas últimas semanas, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que a aliança militar acolheria a Finlândia e a Suécia — países com Forças Armadas “fortes e modernas” — “de braços abertos” e que esperava que o processo de adesão fosse rápido e tranquilo.

INTERNACIONAL

ELON MUSK ACUSADO DE ASSÉDIO SEXUAL POR HOSPEDEIRA DA SPACEX

Uma hospedeira de bordo acusou Elon Musk de a ter assediado sexualmente num jato privado SpaceX, a companhia de que é dono, e de a silenciar, avançou um artigo do Business Insider. As acusações já foram negadas pelo magnata.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Uma hospedeira de bordo acusou Elon Musk de a ter assediado sexualmente num jato privado SpaceX, a companhia de que é dono, e de a silenciar, avançou um artigo do Business Insider. As acusações já foram negadas pelo magnata.

Musk já reagiu na rede social Twitter, ao negar a acusação e alegando que a hospedeira se trata de uma “ativista de extrema-esquerda de Los Angeles” e que “o único objetivo [da denúncia] era interferir na compra do Twitter”, tendo em conta que o artigo jornalístico sobre o caso foi escrito sem Musk ter sido questionado.

“E, para que fique claro, estas acusações perturbadoras são totalmente falsas”, escreveu ele em resposta a um tweet.

De acordo com o artigo publicado, Musk viajou, em 2016, para Londres com um jato privado e pediu uma massagem como parte dos serviços disponíveis durante o voo.

A acusação prende-se ao facto do magnata ter mostrado o seu pénis ereto à massagista, que tinha sido inicialmente contratada como hospedeira, e de lhe ter tocado nas coxas, prometendo-lhe “comprar-lhe um cavalo” caso cumprisse os seus desejos, que a hospedeira recusou.

A mulher, que desejou não revelar o nome, foi eventualmente despedida depois do episódio com Elon Musk, contratando depois um advogado, que numa reunião em 2018 com o próprio magnata recebeu a proposta de 250.000 dólares (aproximadamente 237 mil euros) para o caso não ser levado a tribunal.

Até ao momento a hospedeira, nem o advogado, quiseram comentar o caso aos meios de comunicação, enquanto o vice-presidente da SpaceX, Christopher Cardaci, apenas afirmou que não pretende “falar sobre os acordos de conciliação”.

O Twitter foi o local escolhido para Musk se defender, onde chegou a responder ao relato do caso feito por uma repórter da Fox News, amiga da queixosa, afirmando: “Tenho de desafiar essa mentirosa que afirma que a sua amiga me viu ‘exposto’: descreva uma única coisa – uma tatuagem, uma cicatriz, o que quer que seja, que o público desconheça. Não vai conseguir fazê-lo, porque isto nunca aconteceu”, lê-se num comentário.

O magnata de origem sul-africana tem estado envolvido numa onda de polémicas durante as últimas semanas, quando fez a primeira proposta de compra do Twitter, no meio de rumores persistentes de que planeava baixar o preço ou desistir da venda.

“Nos meus 30 anos de carreira, incluindo a era MeToo, nunca houve nada a apontar, mas, assim que eu anuncio que quero restaurar a liberdade de expressão no Twitter e votar em republicanos, os problemas aparecem…”, comentou Musk noutro tweet.

Na quinta-feira passada, Musk deparou-se com outra controvérsia quando o índice seletivo Standard & Poors 500 retirou a sua marca de carros elétricos, Tesla, de uma lista de empresas que respeitam compromissos sociais e ambientais, acusando a marca de discriminação racial e más condições de trabalho numa das suas fábricas.

LER MAIS

INTERNACIONAL

RÚSSIA: VLADIMIR PUTIN ‘QUEIXA-SE’ DOS CIBERATAQUES DO OCIDENTE

A Rússia enfrentou uma “agressão direta” através de ciberataques do Ocidente durante a invasão da Ucrânia, mas defendeu-se com sucesso, garantiu o Presidente russo, Vladimir Putin.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A Rússia enfrentou uma “agressão direta” através de ciberataques do Ocidente durante a invasão da Ucrânia, mas defendeu-se com sucesso, garantiu o Presidente russo, Vladimir Putin.

A Rússia enfrentou uma “agressão direta” através de ciberataques do Ocidente durante a invasão da Ucrânia, mas defendeu-se com sucesso, afirmou nesta sexta-feira o Presidente russo, Vladimir Putin.

Num discurso aos membros do Conselho de Segurança russo, Putin observou que os “desafios nessa área tornaram-se ainda mais prementes, sérios e extensos”.

O Presidente russo denunciou que foi “desencadeada uma agressão direta contra a Rússia, uma guerra travada no espaço da informação”, acrescentando que a agressão cibernética contra Moscovo, “tal como o ataque em forma de sanções, falhou”.

Putin ordenou aos funcionários para que “aperfeiçoassem e reforçassem os mecanismos de garantia de segurança da informação em instalações industriais de importância crítica que têm uma relação direta com a capacidade defensiva [da Rússia], e com o desenvolvimento estável das esferas económica e social“.

Ainda nesta sexta-feira, a imprensa italiana divulgou a ocorrência de ataques informáticos a vários “sites” institucionais italianos, reivindicados pelo grupo pró-russo Killnet, que já tinha tentado perturbar o Festival da Eurovisão da Canção, realizado na semana passada em Turim.

Antes, o grupo Killnet já tinha atacado vários sites institucionais italianos como as páginas do Senado e do Ministério do Interior, que estiveram bloqueadas durante várias horas. O coletivo pró-russo Killnet já reivindicou ataques informáticos semelhantes contra sites na Roménia, Polónia e Estados Unidos.

Também a Costa Rica está “em guerra” contra os “ciberterroristas” do grupo pró-russo Conti, que iniciaram em 17 de abril uma série de ataques que ainda afetam este país, realçou na segunda-feira o Presidente, Rodrigo Chaves.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas, das quais mais de 5,5 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

LER MAIS

INTERNACIONAL

HACKERS DO GRUPO ‘KILLNET’ PRÓ-RUSSO ATACAM SITES OFICIAIS ITALIANOS

Vários sites institucionais italianos voltaram a sofrer ataques informáticos que foram reivindicados pelo grupo pró-russo Killnet, que já tinha tentado perturbar o Festival da Eurovisão da Canção, realizado na semana passada em Itália, divulgou hoje a imprensa italiana.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Vários sites institucionais italianos voltaram a sofrer ataques informáticos que foram reivindicados pelo grupo pró-russo Killnet, que já tinha tentado perturbar o Festival da Eurovisão da Canção, realizado na semana passada em Itália, divulgou hoje a imprensa italiana.

Desde quinta-feira à noite que não funcionam as páginas oficiais na Internet de vários organismos italianos, como é o caso do Conselho Superior da Magistratura, do Departamento de Alfândegas e dos Ministérios dos Negócios Estrangeiros, Educação e Cultura.

De acordo com a imprensa italiana, os ataques informáticos verificaram-se apesar da vigilância dos departamentos especiais da polícia.

Segundo as fontes citadas pela imprensa italiana, os ‘hackers’ (piratas informáticos) do grupo pró-russo Killnet anunciaram o ataque através das redes sociais, dando instruções “para liquidar a estrutura de informação italiana”.

Na mesma mensagem, o coletivo de ‘hackers’ indicou que este ciberataque teria a duração de 48 horas e que não iria afetar o sistema de saúde do país.

A polícia italiana já conseguiu frustrar vários ataques informáticos lançados por este grupo durante as últimas eleições e contra o Festival da Eurovisão da Canção, que decorreu na semana passada na cidade italiana de Turim.

Antes, o grupo Killnet já tinha atacado vários sites institucionais italianos como as páginas do Senado e do Ministério do Interior, que estiveram bloqueadas durante várias horas.

Nestes ataques não se verificou o roubo de dados e informações, de acordo com fontes policiais.

Estes ataques informáticos definem-se como Ddos (Distributed Denial-of-Service) que se caracterizam por ser prolongados e que têm como alvo bloquear uma determinada página na Internet.

O coletivo pró-russo Killnet já reivindicou ataques informáticos semelhantes contra sites na Roménia, Polónia e Estados Unidos.

LER MAIS

INTERNACIONAL

MASSAS DE GELO DOS ANDES TROPICAIS ENCOLHERAM 42% EM 30 ANOS

As massas de gelo dos Andes tropicais encolheram 42% entre 1990 e 2020, passando de um máximo de 2.429,38 quilómetros quadrados (km2) para apenas 1.409,11 km2, refere um artigo científico divulgado esta sexta-feira pela organização não-governamental (ONG) brasileira Mapbiomas.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

As massas de gelo dos Andes tropicais encolheram 42% entre 1990 e 2020, passando de um máximo de 2.429,38 quilómetros quadrados (km2) para apenas 1.409,11 km2, refere um artigo científico divulgado esta sexta-feira pela organização não-governamental (ONG) brasileira Mapbiomas.

Os Andes tropicais incluem quase todas as zonas montanhosas da Bolívia, Peru, Equador e Colômbia, bem como partes menores na Venezuela, Chile e Argentina, acima dos 600 metros e 800 metros de altitude.

O texto, publicado na revista Remote Sensing por especialistas da iniciativa MapBiomas Amazónia em colaboração com a Universidade Nacional Agrária La Molina, o Instituto de Pesquisas em Glaciares e Ecossistemas de Montanha, ambos do Peru, e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, do Brasil, destacou ainda que o “recuo registado nas últimas três décadas equivale a quase metade da extensão das geleiras [massas de gelo] tropicais andinas registada em 1990″.

Num comunicado, a ONG menciona que “esse crescimento sem precedentes da perda de geleiras, tanto em extensão quanto em volume, pode ser atribuído às mudanças climáticas e a fatores não climáticos como o aumento das queimadas florestais nos últimos anos na Amazónia, que geram carbono negro que pode acelerar o recuo” das massas de gelo.

“A queima das florestas gera carbono negro, que acelera o recuo das geleiras quando entra em contacto com a sua superfície”, explicou Efrain Turpo, que liderou o estudo.

A ONG acrescentou que a perda de massas de gelo afeta a integridade dos ecossistemas nesta região da América do Sul que dependem do ciclo da água, agricultura, abastecimento de água potável, geração de eletricidade, turismo, entre outros.

Já Maria Olga Borja, coautora do artigo, reforçou a importância de reduzir as emissões que se originam na destruição de florestas para dar lugar a outros usos da terra, como agricultura e pecuária.

As massas de gelo tropicais andinas estão localizadas entre o trópico de Câncer e o trópico de Capricórnio dentro da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT).

Os cientistas envolvidos na investigação científica acreditam que o ritmo de mudança nas massas de gelo tem sido rápido, com uma perda média anual de 28,42 km2.

“As [áreas] mais afetadas foram as geleiras que estão a menos de 5.000 metros acima do nível do mar, que em 30 anos perderam quase 80,25% de sua área. A aceleração foi mais significativa a partir de 1995, quando a perda da bacia Amazónica supera a de outras bacias. Em 2020 elas possuíam uma área aproximada de 869,59 km2”, disse o Mapbiomas.

As massas de gelo tropicais andinas estão presentes, com extensões muito variadas, em todos os países andinos da América do Sul.

Aqueles com as maiores áreas são Peru (72,76%), Bolívia (20,35%) e Equador (3,89%).

O Mapbiomas informou que o recuo das massas de gelo em 2020 face a 1990 foi de 41,19% no Peru, de 42,61% na Bolívia e de 36,37% no Equador.

LER MAIS

MAIS LIDAS