Ligue-se a nós

REGIÕES

SAÚDE: ATENDIMENTO NAS URGÊNCIAS NA REGIÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA VAI MUDAR

As urgências de Santa Maria da Feira, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis e Arouca “vão mudar terça-feira” e só atenderão utentes referenciados por 112, SNS24, médicos ou instituições competentes, salvo exceções previstas na lei, anunciou a administração.

Online há

em

As urgências de Santa Maria da Feira, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis e Arouca “vão mudar terça-feira” e só atenderão utentes referenciados por 112, SNS24, médicos ou instituições competentes, salvo exceções previstas na lei, anunciou a administração.

Segundo informa hoje a Unidade Local de Saúde do Entre Douro e Vouga (ULS EDV), que no distrito de Aveiro gere o referido serviço do Hospital São Sebastião e as urgências básicas dos hospitais de São João e Oliveira de Azeméis e do Centro de Saúde de Arouca, ficam dispensados de referenciação externa apenas casos de “gravidade evidente” previstos na Portaria N.º 71/2024, como vítimas de trauma por acidente nas 48 horas anteriores, vítimas de agressão, doentes acamados ou sem mobilidade, menores de um ano de idade, maiores de 70 anos e cidadãos em situação cardiovascular aguda, défice neurológico grave ou crise do foro psiquiátrico.

“O objetivo do novo modelo de atendimento é fazer com que ninguém vá ao serviço de urgência sem primeiro fazer o contacto prévio com uma estrutura do Serviço Nacional de Saúde (SNS) que classifique o caso como realmente urgente e o encaminhe para lá”, explica à Lusa o presidente do conselho de administração da ULS EDV — entidade que em janeiro substituiu o Centro Hospitalar do EDV e agora também tutela toda a rede de cuidados primários da região.

A alteração no formato de atendimento das urgências já foi publicada em Diário da República e segue o modelo do projeto-piloto “Ligue Antes, Salve Vidas”, que foi testado “com sucesso” na Póvoa de Varzim e Vila do Conde, e que na próxima semana entra em funcionamento também na ULS de Gaia/Espinho.

Miguel Paiva diz que esse novo sistema é necessário porque, embora a referenciação por via da linha SNS24 já estivesse disponível, “só 5% dos utentes das urgências do EDV iam lá devidamente referenciados”.

Para aumentar o uso correto desse serviço, o atendimento nas urgências será recusado a todos os que não se encontrem nas condições de exceção referidas na lei e só seguirão para triagem os utentes referenciados por uma de quatro vias: pelo Centro de Orientação de Doentes Urgentes do INEM, após análise de situação reportada à linha de emergência 112; pela linha telefónica SNS24, contactada por iniciativa do próprio utente, em casa ou no hospital; pelo médico de família do doente; por outro médico, mediante declaração clínica assinada; ou por uma instituição de saúde, pública, privada ou social competente para o efeito.

“Se um doente não tiver sido referenciado desta forma antes de chegar às urgências, terá que contactar o SNS24 no próprio hospital. Para isso, haverá no São Sebastião uma cabine telefónica dedicada apenas a esse contacto e, nesta fase, também uma equipa destacada para ajudar os utentes que precisem desse serviço”, adianta Miguel Paiva.

Dessa chamada telefónica resultará um de três cenários: “Se a situação for, de facto, urgente, o SNS24 comunica-o ao hospital, o utente faz a triagem e, se receber pulseira amarela ou laranja (que são as que identificam os casos de maior gravidade), será atendido normalmente. Se a triagem lhe der pulseira azul ou verde, o serviço de urgência não o atende lá e agenda-lhe uma consulta no centro de saúde, onde será recebido no próprio dia ou logo no dia seguinte”.

Já se a linha SNS24 decidir que a situação não justifica atendimento nem na urgência nem no centro de saúde, o utente deixará o hospital, após receber instruções para o devido “autocuidado”.

Nos casos em que o utente for transferido para o centro de saúde, Miguel Paiva garante que “haverá sempre médico disponível” para o acompanhar, porque está a ser reforçada a resposta complementar da rede de cuidados primários, nomeadamente no que concerne a capacidade de consultas, agendamentos para o próprio dia e reação a situações de agudização de doença.

“Mesmo que o médico de família de determinado utente não esteja disponível, ele será sempre recebido por outro profissional. Queremos que haja sempre atendimento para estes doentes e daí estarmos a avaliar todas as semanas o número de vagas disponíveis nos centros de saúde, para as ir ajustando às necessidades introduzidas por este novo sistema de referenciação”, conclui o administrador da ULS EDV.

Advertisement

HELPO, EU CONSIGNO EU CONSIGO, IRS 2024
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

REGIÕES

PORTO: EM 2023 MAIS DE MIL FAMÍLIAS AGUARDAVAM UMA CASA DE HABITAÇÃO MUNICIPAL

Mais de 1.150 famílias aguardavam por uma habitação municipal no Porto no final de 2023, ano em que foram entregues 324 casas, revelou hoje a Câmara Porto.

Online há

em

Mais de 1.150 famílias aguardavam por uma habitação municipal no Porto no final de 2023, ano em que foram entregues 324 casas, revelou hoje a Câmara Porto.

Em resposta à agência Lusa, o município afirmou hoje que 1.155 famílias aguardavam em lista de atribuição de uma habitação no final do ano passado.

O número de famílias à espera de uma habitação municipal aumentou face ao final de 2022, em que se contabilizavam 920 agregados.

“A Domus Social [empresa municipal responsável pelo parque habitacional] tem sentido uma maior pressão nos pedidos de habitação, um cenário provocado, sobretudo, pelo aumento dos valores do arrendamento privado cujos rendimentos das famílias não consegue acompanhar”, destaca a autarquia.

Segundo a autarquia, nos últimos três anos, observou-se um “ligeiro aumento do valor médio dos rendimentos das famílias”, que, em 2023, se fixava em 809 euros.

O município do Porto lembra, no entanto, que este é “um número relativamente volátil”, uma vez que a Domus Social “procede à atribuição de habitações e, em simultâneo, aprova também a entrada em lista de espera de novos agregados”.

“Para o número atual de agregados em lista de atribuição de fogos contribui também o facto de cerca de 20% dos candidatos rejeitarem a primeira proposta de habitação. Ou seja, muitos candidatos optam por permanecer na lista e aguardar por uma segunda proposta de casa, conforme previsto no regulamento”, refere.

Segundo a autarquia, as razões para os candidatos aguardarem por uma segunda proposta de habitação passam, essencialmente, pela localização da casa ou por considerarem que o fogo não corresponde às necessidades.

À Lusa, a Câmara do Porto adiantou ainda que, no último ano, foram entregues 324 habitações, número que também inclui “pedidos de transferência de famílias”, sobretudo por questões relacionadas com mobilidade reduzida.

“Com o envelhecimento da população, esta é uma realidade cada vez mais desafiante no que toca à gestão do parque de habitação municipal”, acrescenta.

A empresa municipal Domus Social gere 48 bairros do município do Porto, onde a habitação social representa 13% do património edificado e onde vivem cerca de 30 mil pessoas.

O orçamento municipal para 2024 contempla uma dotação de 53,6 milhões de euros para o Urbanismo e Habitação, dos quais 50,3 milhões de euros se destinam a regeneração urbana.

O documento destina também uma dotação de 22,8 milhões de euros para habitação social (que se insere na Coesão Social), que contempla um investimento de 20,2 milhões de euros a realizar no parque habitacional pela empresa municipal Domus Social.

LER MAIS

REGIÕES

LAMEGO: CUIDADOS VETERINÁRIOS GRÁTIS PARA ANIMAIS DE FAMÍLIAS CARENCIADAS

As famílias carenciadas do concelho de Lamego que tenham animais de companhia passam a dispor de cuidados veterinários gratuitos, anunciou hoje, num comunicado, a Câmara Municipal daquela cidade.

Online há

em

As famílias carenciadas do concelho de Lamego que tenham animais de companhia passam a dispor de cuidados veterinários gratuitos, anunciou hoje, num comunicado, a Câmara Municipal daquela cidade.

“Num contexto de dificuldades económicas, as famílias deixam, muitas vezes, de ter capacidade para garantir bens e serviços de primeira necessidade aos seus animais, nomeadamente os tratamentos médico-veterinários”, afirma executivo municipal.

Na nota de imprensa, a Câmara, liderado por Francisco Lopes, considera que essas “dificuldades económicas muito contribuem para o crescimento do abandono animal”.

Nesse sentido, a Câmara Municipal de Lamego, no norte do distrito de Viseu, deu início ao projeto que integra o Regulamento Municipal de Promoção do Bem-Estar Animal, que contempla outras medidas.

Assim, “as famílias carenciadas do concelho de Lamego com animais de companhia têm agora direito a cuidados veterinários gratuitos”, bastando, para isso, preencherem um formulário para se candidatarem ao apoio.

Além disso, é necessário o envio de documentos como a última declaração de IRS e respetiva nota de liquidação, fotocópia do Bilhete de Identidade ou Cartão de Cidadão e comprovativo de residência.

Para o e-mail [email protected] deverá também ser enviado o comprovativo da identificação bancária (IBAN) e a fatura associada à despesa veterinária.

“O Plano de Bem-Estar Animal do Município de Lamego tem em vigor um conjunto de iniciativas que visa apoiar as famílias mais desfavorecidas para que possam assegurar os cuidados de saúde aos seus animais, combater o abandono e promover a adoção responsável”, acrescenta.

LER MAIS
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL
LINHA CANCRO

DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% INSPIRATION


WEBRADIO 100% DANCE

KEYWORDS

ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL
NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL

MAIS LIDAS