LIGUE-SE A NÓS

O QUE PROCURA ?

INTERNACIONAL

UCRÂNIA: PRIMEIRO MILITAR RUSSO ACUSADO DE CRIMES DE GUERRA SERÁ JULGADO NO PAÍS

Um comandante do exército russo capturado pela Ucrânia será o primeiro membro das Forças Armadas russas a ser julgado por crimes de guerra em território ucraniano, anunciou hoje a procuradora-geral do país, Iryna Venediktova.

blank

Um comandante do exército russo capturado pela Ucrânia será o primeiro membro das Forças Armadas russas a ser julgado por crimes de guerra em território ucraniano, anunciou hoje a procuradora-geral do país, Iryna Venediktova.

Vadim Shishimarin, comandante da unidade 32010 da 4.ª Divisão Blindada da Guarda Kantemirovskaya, da região de Moscovo, sentar-se-á no banco dos réus pelo alegado assassínio de um civil na região de Sumy, no nordeste da Ucrânia, escreveu a procuradora-geral na sua conta da rede social Facebook.

Segundo a investigação do Ministério Público, a 28 de fevereiro, Shishimarin, de 21 anos, matou um homem desarmado que seguia de bicicleta pela estrada na localidade de Chupajivka.

Após um ataque do exército ucraniano, a coluna russa de que o comandante fazia parte desfez-se, e o acusado, juntamente com outros quatro soldados, fugiram num veículo civil confiscado à força.

Ao chegarem a Chupajivka, avistaram a vítima, de 62 anos, que ia a falar ao telemóvel, e Shishimarin disparou sobre a sua cabeça com uma metralhadora, para evitar que ele os delatasse às tropas ucranianas.

O comandante foi posteriormente capturado pelas forças de Kiev e, a 04 de maio, o Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) divulgou um vídeo em que ele confessava ter disparado contra um civil.

Shishimarin enfrenta entre 10 e 15 anos de prisão ou prisão perpétua se for condenado pelos crimes de que é acusado: violação das leis da guerra, em combinação com assassínio premeditado.

A Rússia iniciou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva na Ucrânia que causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas de suas casas – mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 5,6 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou hoje que 3.496 civis morreram e 3.760 ficaram feridos, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

Quer comentar ?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

REGIÕES

Um agente da PSP foi condenado a uma pena única de seis anos de prisão pela prática de dois crimes de incêndios, explosões e...

REGIÕES

O Tribunal de Leiria condenou hoje pelo crime de peculato uma funcionária pública, que se apropriou de taxas moderadoras, a dois anos e três...

INTERNACIONAL

O Kremlin negou hoje que a Rússia e os Estados Unidos estejam em contacto para promover negociações de paz com Kiev, após fonte militar...

INTERNACIONAL

A página de internet do Parlamento Europeu foi hoje alvo de um ciberataque, no dia em que a instituição aprovou uma resolução em que...

RÁDIO REGIONAL

blank


DESPORTO DIRETO


LINHA CANCRO

RÁDIO REGIONAL


EMISSÃO NACIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




EMISSÃO REGIONAL



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER




WEBRÁDIOS TEMÁTICAS



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER



ABRIR PLAYER