Ligue-se a nós

DESPORTO

PORTUGAL EMPATA COM A SÉRVIA COM GOLO POLÉMICO (VÍDEO)

A seleção portuguesa de futebol empatou hoje 2-2 com Sérvia, depois de chegar ao intervalo a vencer por 2-0, em encontro da segunda jornada do Grupo A europeu de apuramento para o Mundial de 2022, em Belgrado.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A seleção portuguesa de futebol empatou hoje 2-2 com Sérvia, depois de chegar ao intervalo a vencer por 2-0, em encontro da segunda jornada do Grupo A europeu de apuramento para o Mundial de 2022, em Belgrado.

Diogo Jota marcou os dois primeiros golos do encontro, aos 11 e 36 minutos, para um total de cinco na seleção ‘AA’, em 11 jogos, mas, na segunda parte, Aleksandar Mitrovic, aos 46, e Filip Kostic, aos 60, restabeleceram a igualdade.

Com este resultado, Sérvia e Portugal, que se tinham estreado na quarta-feira com triunfos, face a República da Irlanda (3-2) e Azerbaijão (1-0), respetivamente, repartem a liderança do agrupamento, com quatro pontos.

GOLO DE CRISTIANO RONALDO

Fernando Santos celebrou hoje com um empate (2-2) amargo na Sérvia, em jogo de apuramento para o Mundial de 2022, o jogo 1.000 da sua carreira como treinador principal de futebol, iniciada há mais de 33 anos.

No seu jogo 1.000, Portugal chegou ao intervalo a vencer por 2-0, com um ‘bis’ de Diogo Jota (11 e 36 minutos), mas Aleksandar Mitrovic (49) e Filip Kostic (60) empataram e, no final dos descontos, o árbitro não validou um golo a Cristiano Ronaldo em que a bola ultrapassou a linha. Faltaram as tecnologias.

Do ‘episódio’ 1, um empate a um golo na receção ao Barreirense, na 16.ª jornada da Zona Sul da II Divisão, em 10 de janeiro de 1988, ao comando do Estoril, ao milésimo, hoje, em Belgrado, o atual selecionador luso somou 498 vitórias, 253 empates e 249 derrotas, com 1.469 golos marcados e 947 sofridos.

A época de 2020/21, é a 34.ª consecutiva de Fernando Santos como treinador principal, num trajeto em que se ‘distinguem’ oito troféus, dois por Portugal, o Euro2016 e a Liga das Nações de 2019, cinco pelo FC Porto, um campeonato, o ‘penta’, duas Taças de Portugal e duas Supertaças, e ainda um pelo AEK, a Taça da Grécia.

O maior feito a maior da história foi, indiscutivelmente, escrito em 10 de julho de 2016, no Estádio Saint-Denis, nos arredores da ‘Cidade Luz’, a inesquecível vitória sobre a França na final do Euro2016.

O triunfo foi selado por Éder, que foi a terceira ‘cartada’ de Fernando Santos na final e virou ‘herói’, no ‘mítico’ minuto 109, colocando-se na história como o autor do golo mais importante da história de quase um século da formação das ‘quinas’.

Foi o jogo 945 da carreira de Fernando Santos, no que respeita aos seniores, não contando os particulares dos clubes ou os jogos em que comandou “miúdos”, do Império da Picheleira aos juvenis e juniores do Estoril Praia, quando ainda era futebolista.

Em equipas principais, e como treinado principal, o jogo 1 é o com o Barreirense e para a história entraram Sérgio, Vinhas (Carlitos), Martins, Paulinho, José Carlos, Borreicho, Eugénio, Jorge Pereira, Martinho (José Pedro), Pedro e Roberto.

O empate 1-1 não satisfez o técnico nascido em Lisboa, em 10 de outubro de 1954, há 66 anos, porque, nas suas palavras “o Estoril foi a melhor equipa em campo”.

Esse embate, proporcionado pelo ‘adeus’ de António Fidalgo rumo ao Salgueiros, foi também o primeiro de 232 pelo Estoril Praia, com 81 vitórias, 73 empates e 78 derrotas (251-263 em golos), num trajeto marcado pelo segundo lugar na edição inaugural da II Divisão de Honra e a subida à I Liga.

Saiu dos ‘canarinhos’ após a ronda 22 da I Liga 1993/94 e na época seguinte manteve-se na divisão principal, no Estrela da Amadora, no qual cumpriu quatro épocas, com 39 vitórias, 45 empates e 49 derrotas (139-164 em golos), em 133 jogos.

O seu bom trabalho na Reboleira não passou despercebido e, na época seguinte, rumou ao seu primeiro ‘grande’, o FC Porto, com a enorme responsabilidade de suceder a Bobby Robson e António Oliveira e selar um inédito ‘penta’ no futebol luso.

E, para a história, entrou mesmo como o ‘engenheiro do penta’, sendo que, além do campeonato de 1998/99, venceu, em três temporadas, duas edições da Taça de Portugal e duas da Supertaça, para um total de 98 vitórias, 31 empates e 27 derrotas (310-126 em golos), em 156 encontros.

Seguiu-se a internacionalização, a primeira aventura na Grécia, o seu ‘segundo’ país, com uma época no AEK Atenas, para conquistar a Taça da Grécia, na mais importante de 38 vitórias, mais cinco empates e oito derrotas (134-51 em golos), em 51 jogos.

A boa época no AEK abriu-lhe as ‘portas’ do Panathinaikos, mas essa acabou por ser a mais curta experiência da carreira – cumpriu apenas nove encontros, em 2002/03, nos quais somou seis triunfos e três desaires, com 11 golos marcados e três sofridos.

Na temporada seguinte, o segundo ‘grande’, o Sporting e a angústia de perder Cristiano Ronaldo antes do arranque, culpa de uma ‘enorme’ exibição do ‘miúdo’, na inauguração do novo Estádio José Alvalade, face ao Manchester United, que o levou.

Somou, pelos ‘leões’, 26 vitórias, cinco empates e nove derrotas (66-38), mas não arrebatou qualquer troféu e voltou à Grécia, e ao AEK, para novas duas épocas e 86 jogos, traduzidos em 47 vitórias, 23 empates e 16 derrotas (121-70 em golos).

A sua carreira manteve-se uma ‘ponte aérea’ entre Portugal e Grécia e foi tempo de regressar e completar o ciclo dos três ‘grandes’, com o ingresso no Benfica, que comandou a 29 vitórias, 11 empates e nove derrotas (86-41 em golos), em 49 encontros.

Como pelos ‘verde e brancos’, também não conseguiu títulos na Luz, saindo após míseros dois jogos em 2007/08, numa decisão da qual Luís Filipe Vieira já se confessou arrependido.

Apanhou, de imediato, o avião para a Grécia, agora rumo ao PAOK Salónica, que comandou três épocas (2007/10), num total de 114 encontros, nos quais somou 58 vitórias, 24 empates e 32 derrotas, com 132 golos marcados e 92 sofridos.

O trabalho que fez nos clubes valeu-lhe o salto para a seleção da Grécia, com qual chegou aos ‘quartos’ do Europeu de 2012 e aos ‘oitavos’ do Mundial de 2014, para ‘cair’, amargamente, nos penáltis, face à Costa Rica, na despedida, após 26 vitórias, 17 empates e seis derrotas (56-36 em golos), em 49 encontros.

Desde 2014, Fernando Santos é o selecionador luso e na história já está como o primeiro que levou Portugal a um título: já são aliás, dois, pois juntou ao Euro2016 e a primeira edução da Liga das Nações, em 2019: para já, são 81 jogos, nos quais contabiliza 50 vitórias, 19 empates e 12 derrotas, com 163-59 em golos.

“Aquilo que eu gostava de cumprir como objetivo era levar Portugal a ser campeão do mundo, obviamente”, confessou à Lusa, na véspera do jogo 1.000. O contador vai prosseguir.

DESPORTO

PORTUGAL PERDE COM ESPANHA E FALHA ‘FINAL FOUR’ DA LIGA DAS NAÇÕES

A seleção portuguesa de futebol foi hoje afastada da ‘final four’ da Liga das Nações, ao perder por 1-0 com a Espanha, em encontro da sexta e última jornada do Grupo A2, no Estádio Municipal de Braga.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A seleção portuguesa de futebol foi hoje afastada da ‘final four’ da Liga das Nações, ao perder por 1-0 com a Espanha, em encontro da sexta e última jornada do Grupo A2, no Estádio Municipal de Braga.

Um golo de Álvaro Morata, aos 88 minutos, selou o triunfo da ‘roja’, finalista vencida em 2021, que ganhou o agrupamento, com 11 pontos, contra 10 de Portugal e nove da Suíça, que venceu em casa a República Checa (2-1), regelada à Liga B, com quatro.

Portugal, vencedor em 2019, só precisava de empatar com a Espanha para selar um lugar na ‘final four’ da terceira edição da Liga das Nações, que se disputará de 14 a 18 de junho de 2023, com Espanha, Croácia, Itália e Países Baixos.

LER MAIS

DESPORTO

LIGA PORTUGAL: SETE ANOS CONSECUTIVOS DE CONTAS POSITIVAS

O Relatório e Contas da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), relativo à época 2021/22 foi hoje aprovado por unanimidade, refletindo, pelo sétimo ano consecutivo, um resultado líquido positivo, que desta vez se saldou em 1,182 milhões de euros.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

O Relatório e Contas da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), relativo à época 2021/22 foi hoje aprovado por unanimidade, refletindo, pelo sétimo ano consecutivo, um resultado líquido positivo, que desta vez se saldou em 1,182 milhões de euros.

O documento espelha um valor de receitas totais de 21,9 milhões, ultrapassando pela primeira vez na história da instituição a barreira dos 20 milhões, muito alavancando pelo contrato de ‘naming’ da principal competição de futebol, celebrado com uma empresa de apostas desportivas, que é o maior de sempre firmado pela LPFP.

A primeira tranche desse acordo, com um valor global de 35 milhões de euros, já está refletido neste relatório referente a 2021/22, que marcou o encerrar de um ciclo marcado pelas restrições provocadas pela pandemia de covid-19.

“Estas contas refletem um caminho de rigor orçamental e de uma crescente profissionalização da atividade, que esta Direção da LPFP e todas as sociedades desportivas querem continuar a desenvolver”, disse Rui Caeiro, diretor executivo da instituição.

Ainda nesta assembleia geral da LPFP foi aprovada uma verba de 288 mil euros, oriunda do saldo positivo da exploração comercial, para ser aplicada num reforço do fundo de contingência para as questões judiciais e fiscais existentes.

O valor do passivo contingente, apesar de ter diminuído no exercício em questão, ainda se cifra em 35 milhões euros, sendo que atualmente a LPFP tem um fundo de cerca de um milhão para encarar eventuais questões prementes neste âmbito fiscal e judicial.

“As contas da LPFP encontram-se robustas e preparadas para o que possa surgir no futuro. Nesta época [2021/22] não foi utilizada qualquer verba deste fundo e o passivo contingente até reduziu”, disse Telmo Viana, diretor financeira da instituição.

O responsável realçou “um aumento das receitas e do investimento” e notou que “o grau de execução do orçamento [de 107%] só foi possível pelo rigor aplicado em todas as faces de gestão”.

Além da aprovação do Relatório e Contas, que mereceu um voto de louvor apresentado pelo Marítimo, e seguido por unanimidade pelas sociedades desportivas presentes, foi ainda ratificada nesta assembleia geral uma verba de 550 mil euros para um Fundo de Apoio ao Desenvolvimento de Infraestruturas Tecnológicas das sociedades desportivas.

Para aceder a verbas, os clubes vão ter de apresentar candidatura de projeto nesta área do desenvolvimento digital, que engloba, por exemplo, iniciativas tecnológicas de bilhética.

LER MAIS

DESPORTO

LIGA NAÇÕES: PORTUGAL DEFRONTA ESPANHA COM A ‘MIRA’ NA SEGUNDA FINAL FOUR

A seleção portuguesa de futebol precisa apenas de empatar hoje na receção à Espanha, em Braga, no derradeiro encontro do Grupo A2, para conseguir, pela segunda vez em três edições, um lugar na ‘final four’ da Liga das Nações.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A seleção portuguesa de futebol precisa apenas de empatar hoje na receção à Espanha, em Braga, no derradeiro encontro do Grupo A2, para conseguir, pela segunda vez em três edições, um lugar na ‘final four’ da Liga das Nações.

O triunfo na República Checa (4-0), no sábado, deixou Portugal a depender apenas de si próprio para alcançar a próxima fase da competição, uma vez que, à entrada para a sexta e última jornada, lidera o grupo, com mais dois pontos do que a Espanha, que perdeu na receção à Suíça (1-2).

A formação comandada por Fernando Santos tem, assim, tudo a seu favor para voltar – três anos depois de conquistar a primeira edição, no Dragão – à ‘final four’ da prova da UEFA, até porque o histórico recente com a Espanha só ostenta empates.

Com João Félix recuperado dos problemas físicos que o afastaram do encontro com os checos, o selecionador luso tem disponíveis os 25 jogadores que se encontram às suas ordens, inclusive João Cancelo, que cumpriu suspensão e falhou o duelo em Praga.

Portugueses ou espanhóis vão fechar o lote das seleções presentes na ‘final four’, para a qual já se apuraram Croácia, Itália e Países Baixos, que venceram os grupos A1, A3 e A4, respetivamente.

O encontro entre Portugal e Espanha, da sexta e última jornada do Grupo A2 da Liga das Nações de 2022/23, tem início marcado para as 19:45, no Estádio Municipal de Braga, com arbitragem do italiano Daniele Orsato.

Após cinco rondas, a formação das ‘quinas’ lidera o agrupamento, com 10 pontos, contra oito da Espanha, seis da Suíça e quatro da República Checa, sendo que o primeiro classificado segue para a ‘final four’ e o último é despromovido à Liga B.

LER MAIS

DESPORTO

TRÊS ADEPTOS DO ESTORIL FORA DOS ESTÁDIOS POR INTOLERÂNCIA

Os três adeptos do Estoril Praia acusados de intolerância com apoiantes do FC Porto estão impedidos de entrar em estádios, devido aos incidentes no encontro entre os dois clubes para a I Liga de futebol, em 16 de setembro.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Os três adeptos do Estoril Praia acusados de intolerância com apoiantes do FC Porto estão impedidos de entrar em estádios, devido aos incidentes no encontro entre os dois clubes para a I Liga de futebol, em 16 de setembro.

Em comunicado, a Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto (APCVD) deu hoje conta da decisão proferida na semana passada, relativamente ao caso dos insultos a um homem, com uma criança ao colo, ambos vestidos com camisolas do FC Porto, que terão sido cuspidos enquanto se encontravam numa zona da bancada destinada aos adeptos anfitriões.

“Os três adeptos do Estoril identificados pela GNR, a propósito dos incidentes do jogo Estoril Praia-FC Porto de 16 de setembro, estão já proibidos de entrar em recintos desportivos. Os suspeitos foram notificados pela PSP da decisão da APCVD, que impõe medida cautelar de interdição de acesso a recintos desportivos, e assim aguardarão a conclusão do respetivo processo de contraordenação”, lê-se na referida nota.

Estes três indivíduos podem ser punidos com coimas entre os 1.000 e os 10.000 euros e com pena de interdição de acesso a recintos desportivos até dois anos.

Na sequência do incidente ocorrido no recinto cascalense, e segundo apurado pela APCVD, o pai e a criança com a camisola do FC Porto, vítimas de atos de intolerância, mantiveram-se na mesma bancada, ainda que com a necessidade de os deslocar alguns metros para manter salvaguardada a sua integridade física.

Criança e pai continuaram assim com a camisola do respetivo clube, acolhidos entre adeptos do Estoril, que se demarcaram e mostraram indignados com os atos de intolerância ocorridos.

No dia seguinte, o Estoril Praia lamentou o ocorrido, condenando “todo e qualquer ato de violência, seja ele de que natureza for”.

“Lamentamos profundamente a situação vivida pela filha do adepto do FC Porto no Estádio António Coimbra da Mota, pedindo-lhe desculpas e desejando que nunca deixe de apreciar a verdadeira essência do Desporto. Condenamos as atitudes de quem não consegue controlar as suas emoções e permite que atitudes provocatórias de supostos adeptos de futebol se transformem num momento lamentável de agressividade que não tem lugar num estádio de futebol”, lê-se no comunicado do emblema cascalense.

O Estoril Praia rematou a nota disponibilizando-se “para continuar a colaborar com as entidades competentes na procura das soluções adequadas que possam impedir este género de episódio de voltar a ocorrer num recinto desportivo”.

Antes, já o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Correia, e o presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, tinham repudiado este incidente.

Esta foi a segunda vez no espaço de uma semana que tanto o secretário de Estado da Juventude e do Desporto como o presidente da LPFP lamentaram incidentes ocorridos com adeptos em estádios da I Liga.

Em 10 de setembro, uma criança foi obrigada a despir uma camisola do Benfica no estádio do Famalicão, por se encontrar, juntamente com o pai, numa bancada com maioria de adeptos locais.

LER MAIS

MAIS LIDAS