Ligue-se a nós

MAGAZINE

ALIMENTOS PARA CRIANÇAS COM AÇÚCAR OU SAL ADICIONADOS SEGUNDO ESTUDO DO INSA, NUTRICIONISTAS PREOCUPADOS

Mais de metade dos produtos alimentares para crianças não cumpre todos os critérios nutricionais recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), especialmente por adição de açúcar ou adoçantes, indica um estudo do Instituto Ricardo Jorge.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Mais de metade dos produtos alimentares para crianças não cumpre todos os critérios nutricionais recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), especialmente por adição de açúcar ou adoçantes, indica um estudo do Instituto Ricardo Jorge.

No estudo foram avaliados 138 alimentos complementares para crianças dos seis aos 36 meses, rotulados como adequados para essas idades, concluindo-se que parte deles tinha adicionado açúcar ou sal.

A propósito do estudo, a Ordem dos Nutricionistas pediu hoje à Direção-Geral da Saúde (DGS) que tenha “mão forte junto da indústria alimentar” e pressione “a reformulação dos seus produtos”.

De acordo com o estudo do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), 69% dos produtos alimentares avaliados não cumpria todos os critérios.

“Saber que 31% dos produtos destinados a crianças contêm pelo menos uma fonte de açúcar e que 25% têm sal adicionado é preocupante, uma vez que o sal e o açúcar não devem ser consumidos durante o primeiro ano de vida”, alerta a bastonária da Ordem dos Nutricionistas, Alexandra Bento, citada num comunicado da ordem.

Alexandra Bento acrescentou que é nos primeiros anos de vida que as crianças adquirem hábitos e que serem expostas precocemente ao sal e ao açúcar condiciona-lhes o gosto.

Porque há “uma clara necessidade” de reformulação dos produtos alimentares compete à DGS “atenção redobrada à composição nutricional de produtos alimentares destinados, principalmente, a idades precoces”, considera a Ordem no comunicado.

O INSA afirma no relatório que há grande variedade de oferta de alimentos destinados a lactentes e crianças jovens e acrescenta que, pela vulnerabilidade dessa faixa etária, tem havido uma crescente preocupação com a adequação da oferta a uma alimentação saudável e nutritiva.

Quase todos os produtos analisados apresentavam pelo menos um tipo de alegação nutricional ou de saúde na embalagem, diz o estudo do INSA, segundo o qual os resultados revelam a importância de uma monitorização e avaliação nutricional contínuas, e reforçam a necessidade de serem aplicadas medidas efetivas que limitem a promoção de alimentos menos saudáveis destinados à faixa etária dos seis aos 36 meses.

Dos 138 alimentos analisados, 34 (25%) foram papas infantis, 94 (68%) foram refeições “de colher” (sobremesas lácteas, purés de fruta e purés de carne/peixe) e 10 (7%) são bolachas/snacks.

O INSA também já tinha feito um estudo sobre alimentos com o sistema de rotulagem nutricional Nutri-Score (com letras de A a E e cores do verde ao vermelho, sendo que supostamente as letras a verde representam produtos mais saudáveis).

Foram analisados 268 alimentos e o INSA concluiu que 91% não cumpre os valores de referência definidos na Estratégia Integrada para a Promoção da Alimentação Saudável (EIPAS) para os açucares e sal, quando avaliados conjuntamente.

Considerando apenas os produtos com Nutri-Score com as letras A ou B (tidos como mais saudáveis), 87% excederam os valores de referência da EIPAS, pelo que o sistema de rotulagem “pode ser considerado pouco eficiente e potencialmente enganador em algumas categorias de alimentos”, diz o INSA.

MAGAZINE

RISCOS ASSOCIADOS ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS AGRAVARAM DOENÇAS INFECIOSAS NOS HUMANOS

Inundações, ondas de calor e seca, associadas às alterações climáticas, agravaram mais de metade das centenas de doenças infeciosas conhecidas nos humanos, incluindo malária, hantavírus, cólera e carbúnculo, segundo um estudo divulgado hoje.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Inundações, ondas de calor e seca, associadas às alterações climáticas, agravaram mais de metade das centenas de doenças infeciosas conhecidas nos humanos, incluindo malária, hantavírus, cólera e carbúnculo, segundo um estudo divulgado hoje.

Os investigadores analisaram a literatura médica de casos estabelecidos de doenças e descobriram que 218 das 375 doenças infeciosas humanas conhecidas, ou 58%, pareciam ser agravadas por um dos dez tipos de clima extremo ligado às alterações climáticas, de acordo com um estudo publicado na revista Nature Climate Change.

O estudo traçou 1.006 percursos desde os riscos climáticos até às pessoas doentes. Em alguns casos, as chuvas torrenciais e as inundações acabaram por ter consequências na infeção das pessoas através de mosquitos, ratos e veados portadores de doenças.

A subida de temperatura dos oceanos e ondas de calor tiveram efeitos significativos nos mariscos e outros alimentos provenientes dos mares, enquanto as secas aumentaram os riscos de infeções virais nas pessoas através de morcegos.

Peritos defendem a teoria genericamente aceite de que o coronavírus que causa a covid-19 passou provavelmente de um morcego para as pessoas através de um outro animal ainda não identificado.

O comunidade científica há muito que associa a doença ao clima, mas este estudo mostra o quão generalizada é a sua influência na saúde humana.

“Se o clima está a mudar, o risco destas doenças está a mudar”, disse o coautor do estudo, o diretor do Instituto de Saúde Global da Universidade de Wisconsin-Madison, Jonathan Patz.

“Os resultados deste estudo são aterradores e ilustram bem as enormes consequências das alterações climáticas nos agentes patogénicos humanos”, disse Carlos del Rio, um especialista em doenças infeciosas da Universidade de Emory, que não fez parte do estudo.

“Aqueles de nós que se dedicam às doenças infeciosas e à microbiologia precisam de fazer das alterações climáticas uma das nossas prioridades, e precisamos de trabalhar todos juntos para evitar o que será sem dúvida uma catástrofe como resultado das alterações climáticas”, sublinhou.

Para além de analisarem as doenças infeciosas, os investigadores expandiram a sua pesquisa para analisar todo o tipo de doenças humanas, incluindo doenças não infeciosas como a asma, alergias e mesmo mordeduras de animais, para verem quantas doenças poderiam estar de alguma forma ligadas aos riscos climáticos, incluindo as doenças infeciosas.

E encontraram um total de 286 doenças específicas, das quais 223 pareciam ser agravadas pelos riscos climáticos, nove foram diminuídas pelos riscos climáticos e 54 em que se verificaram ambos os cenários.

O autor principal do estudo, Camilo Mora, um analista de dados climáticos da Universidade do Havai, disse que o que é importante notar é que o estudo não tem a ver com a previsão de casos futuros.

“Não há aqui qualquer especulação”, disse Mora. “Estas são coisas que já aconteceram”, acrescentou.

A especialista de longa data em clima e saúde pública Kristie Ebi, da Universidade de Washington, advertiu estar preocupada com a forma como as conclusões foram tiradas e com alguns dos métodos do estudo.

É um facto estabelecido que a queima de carvão, petróleo e gás natural levou a condições meteorológicas extremas mais frequentes e intensas, e a investigação demonstrou que os padrões meteorológicos estão associados a muitas questões de saúde, explicou.

“Contudo, a correlação não é a causa”, disse Ebi. “Os autores não discutiram até que ponto os riscos climáticos analisados mudaram durante o período de tempo do estudo e até que ponto quaisquer alterações foram atribuídas às alterações climáticas”, notou.

LER MAIS

MAGAZINE

PANDEMIA ‘ATRASOU’ A PARIDADE DA IGUALDADE DE GÉNERO NO MUNDO LABORAL

A paridade global da igualdade de género no mundo laboral, que tinha vindo a aumentar lentamente desde 2009, agravou-se com a pandemia e caiu para o nível mais baixo desde que há registo, foi hoje anunciado.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

A paridade global da igualdade de género no mundo laboral, que tinha vindo a aumentar lentamente desde 2009, agravou-se com a pandemia e caiu para o nível mais baixo desde que há registo, foi hoje anunciado.

Segundo a 16.ª edição do relatório do Fórum Económico Mundial (World Economic Forum, WEF) sobre a igualdade de género, hoje publicado, o indicador, que a 100% mostraria paridade total e a 0% uma disparidade total, situou-se em 62,9% este ano, numa altura em que a taxa de desemprego global das mulheres e dos homens é, respetivamente, de 6,4% e 6,1%, indica o relatório.

O impacto negativo desproporcionado da pandemia no mercado de trabalho feminino foi parcialmente explicado pelo maior envolvimento das mulheres em setores como os cuidados sociais e a educação, que foram duramente atingidos pela pandemia (encerramentos de escolas e jardins de infância, confinamentos, etc.), segundo o relatório do WEF.

O estudo aponta, no entanto, um quadro um pouco mais positivo em termos de participação das mulheres em posições de liderança, que tem vindo a aumentar desde 2016 (de 33,3% em 2016 para 36,9% atualmente), embora ainda seja significativamente inferior à taxa dos homens no topo.

Contudo, o progresso estagnou durante a pandemia, afirma o WEF, que também destaca grandes diferenças setoriais: a paridade é quase atingida em organizações governamentais (com 47% das mulheres em posições de liderança), educação (46%) ou serviços sociais (45%), enquanto noutros setores os números são muito mais baixos.

Nas empresas energéticas, por exemplo, apenas 20% dos cargos de poder são ocupados por mulheres, e esta percentagem não é sequer atingida em setores como as infraestruturas ou a indústria, de acordo com as estatísticas apresentadas no relatório.

A nível educacional, o estudo do WEF, a organização que acolhe anualmente o Fórum de Davos, observa que as mulheres continuam a estar sobrerrepresentadas no ensino superior relacionado com a educação, saúde e bem-estar, mas estão sub-representadas na ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

O relatório termina com um apelo aos líderes para “aproveitarem a criatividade e dinamismo dos seus países para superar as crises atuais e acelerar uma recuperação robusta”.

LER MAIS

MAGAZINE

ESTUDO: BEBER CERVEJA FAZ BEM AOS INTESTINOS E NÃO ENGORDA

Investigadores do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS), no Porto, concluíram que “beber cerveja faz bem à microbiota intestinal”, fator que tem sido associado à prevenção de doenças crónicas como a obesidade, diabetes e cardiovasculares.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Investigadores do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS), no Porto, concluíram que “beber cerveja faz bem à microbiota intestinal”, fator que tem sido associado à prevenção de doenças crónicas como a obesidade, diabetes e cardiovasculares.

Em comunicado, o CINTESIS revela hoje que o estudo, publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry e que também envolveu investigadores da NOVA Medical School – Faculdade de Ciências Médicas, concluiu que “beber cerveja faz bem à microbiota intestinal”.

“O consumo de cerveja contribui para a melhoria da composição da microbiota intestinal, fator que tem sido associado à prevenção de doenças crónicas muito comuns, tais como a obesidade, a diabetes e as doenças cardiovasculares”, salienta o centro.

No decorrer da investigação, a equipa recrutou homens saudáveis, entre os 23 e 58 anos, para participarem num ensaio, ao longo de quatro semanas, que consistia em beber diariamente 330 mililitros (ml) de cerveja, com ou sem álcool.

Os resultados provaram que o consumo de cerveja, bebida que resulta da fermentação de cereais, “aumenta a diversidade da microbiota intestinal, sem aumentar o peso e a massa gorda”.

Ao mesmo tempo, os investigadores concluíram que a ingestão desta bebida “não interfere significativamente em biomarcadores cardiometabólicos”, como a glicose, colesterol e triglicéridos.

“Curiosamente, a fosfatase alcalina, um importante biomarcador de danos no fígado, rins e ossos, diminuiu no decurso do ensaio”, salienta o CINTESIS, acrescentando que o benefício da cerveja na saúde intestinal “provou ser independente do teor alcoólico”, ou seja, ocorre quer a cerveja tenha álcool ou não.

Os investigadores acreditam que o efeito benéfico da cerveja poderá estar ligado com os polifenóis presentes na bebida, à semelhança do que acontece com o vinho tinto.

Citados no comunicado, os investigadores salientam que o estudo “vem demonstrar que este tipo de bebidas ricas em polifenóis, no caso a cerveja, é uma abordagem interessante para aumentar a diversidade da microbiota intestinal”.

O estudo, que foi liderado pelas investigadoras Ana Faria e Conceição Calhau, contou ainda com a participação de outros especialistas do CINTESIS.

LER MAIS

MAGAZINE

ESTUDO: UM QUARTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL CORRE RISCO DE GRANDES INUNDAÇÕES

Quase um quarto da população mundial corre o risco de grandes inundações, com os países pobres na primeira linha, indica um estudo publicado hoje.

Online há

em

nbsp| JORNAL ONLINE

Quase um quarto da população mundial corre o risco de grandes inundações, com os países pobres na primeira linha, indica um estudo publicado hoje.

Divulgado na revista científica Nature Communications, o estudo cruzou dados sobre o risco de inundações com origem nos rios e no mar, bem como devido a chuvas, com a informação cedida pelo Banco Mundial sobre a distribuição populacional e a pobreza.

As conclusões apontam para que cerca de 1,81 mil milhões de pessoas, ou 23% da população mundial, estejam diretamente expostas a inundações seculares de mais de 15 centímetros.

Deste grupo de pessoas em risco, 780 milhões vivem com menos de 5,50 dólares (5,22 euros) por dia. O leste e o sul da Ásia, que integram a China e a Índia, concentram 1,24 mil milhões de habitantes que enfrentam essa ameaça.

“Isto representa grandes riscos para as vidas e meios de subsistência, especialmente das populações mais vulneráveis”, refere o estudo, adiantando que quase 90% das pessoas em risco vivem em países pobres e de rendimento médio.

“Os países de baixos rendimentos estão desproporcionalmente expostos ao risco de inundações e são mais vulneráveis a impactos desastrosos a longo prazo”, conclui o estudo de Jun Rentschler, do Banco Mundial, e dos seus colegas.

Segundo Thomas McDermott, da Universidade Nacional de Galway, na Irlanda, este é o primeiro estudo que fornece uma “avaliação global da relação entre a exposição ao risco de inundação e a pobreza”.

Os investigadores alertam que as alterações climáticas e a urbanização mal planeada podem agravar os riscos nos próximos anos.

LER MAIS

MAIS LIDAS